sexta-feira 19 de abril de 2024

A representação negra nas artes: Parte II

10 de julho de 2020 8:05 por Redação

O termo “Négritude” foi cunhado por Aimé Césaire (1913-2008), poeta, político e intelectual afro-caribenho, em seu poema “Cahier d’un retour au pays natal”, em 1930. Seu intuito era, em primeiro lugar, reivindicar a identidade negra, perante a cultura dominante europeia. Dessa forma, abrindo um espaço de autoafirmação, que, posteriormente, seria aprofundado por Léopold Sédar Senghor (1906-2001), poeta, político, intelectual e ex-presidente senegalês.

Segundo Senghor, “a négritude é o conjunto de valores culturais da África negra”. Para Césaire, “esta palavra designa em primeiro lugar a repulsa. Repulsa ante a assimilação cultural; repulsa por uma determinada imagem do negro tranquilo, incapaz de construir uma civilização”. O efeito da “Négritude” foi explosivo, reuniu diversos intelectuais negros de diferentes partes do mundo, ao passo que também conseguiu fazer com que outros intelectuais se unissem a eles, como Jean Paul Sartre (1905-1980), o qual definiria o movimento como “a negação da negação do homem negro”.

Um dos aspectos mais ousados do movimento foi a subversão semiótica do termo “nègre”, o qual era utilizado para pejorativamente intitular negros em francês, mas que deu origem ao termo “Négritude” para empodera-los. A revolução no sentido da palavra é equivalente à revolução intelectual provocada pelo movimento, que também contava com Léon-Gontran Damas (1912-1978), político e poeta da Guiana Francesa, como um de seus três fundadores.

A insurreição intelectual causada pelo movimento influenciou uma serie de autores: Birago Diop (1906-1989), do Senegal, o qual explorava o místico da vida africana em seus poemas, David Diop (1927-1960), escritor de poesia revolucionária e de protesto, Jacques Rabemananjara (1913-2005), cujo os poemas glorificam a história e cultura de Madagascar, os camaroneses Mongo Beti (1932-2001) e Ferdinand Oyono (1929-2010), que escreviam romances anticoloniais, e Tchicaya U Tam’si (1931-1988), cuja poesia extremamente pessoal não negligencia o sofrimento do povo negro.

Com o surgimento da onda de protestos e o fortalecimento da luta antirracista após o assassinato de George Floyd, sinto que foi extremamente necessário redigir um texto que abordasse a temática da representação negra através da história, de modo, que a promovesse e combatesse a sua ocultação.

No cenário em que vivemos, é necessário agregar e contribuir com a luta antirracista, seja indo aos protestos, ou reconstruindo a memória da identidade negra e toda sua produção intelectual. Assim, não somente divulgando autores negros, mas também servindo como alicerce para uma afirmação, que contraria o que é historicamente associado e negado ao povo negro.

Mesmo dentro de áreas com tendências mais progressistas, como a arte, temos que lidar com o racismo que se estende nelas, de forma implícita ou explicita. Até mesmo grandes nomes da literatura brasileira, neste caso, Monteiro Lobato (1882-1948) já expos seu racismo em suas obras e até mesmo numa carta inédita endereçada para Sergio Buarque, onde fica exposto seu “cinismo escritural antinegro”, que não perdoou nem o maior escritor brasileiro de todos os tempos — Machado de Assis (1839-1908) —  

Creio que também seja válido citar alguns nomes que estiveram ou estão em ascensão na luta antirracista, contribuindo de alguma forma ou de outra: Jean Michel Basquiat (1960-1988), artista negro neoexpressionista americano, que introduziu o grafitti ao cenário das galerias de arte e se tornou um “hit”, Silvio Luiz De Almeida, jurista e filósofo, que agrega ao debate sobre o racismo com suas ideias, Jones Manoel, professor de história e militante do PCB (Partido Comunista Brasileiro), que escreve sobre temáticas negras e a nossa solidão no mundo intelectual, e Solano Trindade (1908-1974), poeta brasileiro, folclorista, teatrólogo, cineasta e  militante do PCB e do Movimento Negro, cujo trabalho tem uma estética negra.

Nomes dentro da filosofia e sociologia, como, por exemplo, Du Bois (1868-1963), sociólogo pan-africanista e escritor americano, cujo trabalho serviu como base para a criação do empoderamento intelectual negro, e Frantz Fanon (1925-1961), filósofo, psiquiatra e ensaísta marxista da Martinica, cujo trabalho contribui para o fortalecimento da teoria pós-colonial, merecem ser citados aqui também. 

Também há dois outros nomes que, futuramente, aparecerão por aqui, mas que eu gostaria de já citar: Natanael Vieira, poeta, professor e escritor maranhense negro, que se tornou doutor honoris causa em literatura pela FEBACLA (Federação Brasileira de Acadêmicos das Ciências, Artes e Letras) aos 21 anos, e Miguel Nogueira, mais conhecido como Midrusa, artista maceioense de 25 anos, cujo empoderamento negro está mitologicamente presente em suas obras.

Mais lidas

CPI da Braskem tem 35 dias para concluir investigação, que inclui visita aos bairros destruídos

10 de julho de 2020 8:05 por Redação Com o objetivo de investigar a

Sem declarar IR cidadão não pode sequer receber prêmio de loteria que, acumulada, hoje sorteia

10 de julho de 2020 8:05 por Redação O prazo para entrega da Declaração

Risco de morte após a febre chikungunya continua por até 84 dias, diz Fiocruz

10 de julho de 2020 8:05 por Redação Em meio à epidemia de dengue e

Saúde volta a alertar alagoanos sobre medidas de prevenção contra a dengue

10 de julho de 2020 8:05 por Redação A Secretaria de Estado de Alagoas

PF indicia filho de Bolsonaro por falsidade ideológica e lavagem de dinheiro

10 de julho de 2020 8:05 por Redação A Polícia Federal em Brasília indiciou

FAEC anuncia calendário anual de eventos esportivos para o público escolar

10 de julho de 2020 8:05 por Redação A Federação Alagoana de Esportes Colegiais

Bar do Doquinha: o lar enluarado da boemia

10 de julho de 2020 8:05 por Redação Por Stanley de Carvalho* Há 60

Seduc anuncia processo seletivo para a Educação Especial

10 de julho de 2020 8:05 por Redação A Secretaria de Estado da Educação

6 Comentários

  • Texto muito bem escrito, e eu fiquei muito feliz de ter me citado. Muita honra e parabéns!

  • Parabéns professor pelo trabalho como sempre insentivando a todos com seu trabalho

    • Parabéns Madson pelo trabalho ?? sucesso e sabedoria sempre!

  • Meus parabéns ao colunista Madson Costa pelo trabalho, muito interessante

  • Parabéns, pelo trabalho. Muito aprendizado nesse texto.

  • Belo texto.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *