Loureiro cede à pressão dos filhos e demite Santoro

1
Por Da Redação

Santoro era um dos secretários mais prestigiados na gestão do ex-governador Renan Filho |
Agência Alagoas

O desembargador Klever Loureiro, presidente do Tribunal de Justiça de Alagoas (TJAL), tem exercido a interinidade do cargo de governador do Estado com exposição diária na mídia, e cumprindo um calendário de inaugurações e assinaturas de ordem de serviço.

Na manhã desta quarta-feira, 4, o magistrado tornou explícita sua ambição pelo poder, ignorando inteiramente a interinidade do cargo. Aliás, para surpresa geral, desde que assumiu Klever Loureiro mostrou que não faria uma gestão apagada.

Desde a posse, em 2 de abril último, com a renúncia de Renan Filho, o Diário Oficial do Estado (DOE) foi o órgão do governo a que mais dedicou atenção, causando perplexidade entre os aliados.

Nesta quarta-feira, 4, a população foi surpreendida com a decisão do desembargador de demitir o secretário da Fazenda, George Santoro, um dos principais nomes do governo. O motivo alegado foi o descumprimento de sua determinação de que nenhum dos seus auxiliares poderia usar as redes sociais como instrumento de comunicação, ou emitir opinião pública.

Bastidores

O governador interino é pai de Júnior Loureiro e Bruno Loureiro, políticos que foram prefeitos de Japaratinga, município do Litoral Norte de Alagoas.

Os dois exercem influência sobre o pai, e têm demonstrado que estão ignorando a interinidade do cargo. No Palácio Floriano Peixoto, sede do governo, na Assembleia Legislativa Estadual, entre prefeitos e outras lideranças públicas, Júnior Loureiro e Bruno Loureiro são apontados como operadores políticos.

Eles estão exercendo pressão junto aos secretários do Gabinete Civil e da Fazenda por motivos óbvios. O Gabinete Civil é onde são expedidas as nomeações e demissões, e a Secretaria da Fazenda, estratégica em relação aos recursos financeiros do estado.

Consequências

Os secretários Fábio Farias (Gabinete Civil) e George Santoro (Fazenda) foram levados ao limite da pressão pelo governador interino, e por seus dois filhos. O médico Fábio Farias é mais político, e segue resistindo, mas já foi ameaçado de exoneração por Kléver Loureiro.
“Se os nomes que eu indicar não forem nomeados, eu demito você!”, teria lhe dito o governador interino.

Já George Santoro é um profissional de fala elegante, tido pelos agora ex-colegas como um gentleman. Entretanto, tem opinião sobre a sua área e pensa politicamente. Foi à primeira vítima dos interesses político-eleitorais de Kléver Loureiro.

Prejuízos

Em Alagoas desde 2014, George André Palermo Santoro é do Rio de Janeiro, e foi indicado ao governador Renan Filho para assumir a Sefaz, em seu primeiro mandato (2015-2018), por Joaquim Levy, doutor em economia, que foi secretário do Tesouro Nacional no governo Lula, e ministro da Fazenda no governo Dilma Roussef.

Agora, Santoro está fora do governo alagoano, interrompendo um projeto que vem fazendo o estado superar graves problemas de gestão econômico-administrativa.

1 comentário

  1. Triste Alagoas! Até quando sua população vai ser enxovalhada por uma grande grande grande maioria de políticos que só age em benefício próprio? Quando penso em cada município, na ALe, nas câmaras de vereadores, sangro… um estado belíssimo e riquíssimo.

Deixe uma resposta