Anjo da guarda

0
Por Mácleim Carneiro

Das coisas que o Facebook nos faz rememorar, chegou esse post do querido amigo meu, Pedro Cabral:

“Debruçado sobre este poema abaixo de um dos maiores poetas brasileiros, o alagoano Gonzaga Leão, Mácleim fez uma bela canção. E coube a mim traduzir poema e música num quadro que ficou assim. Eis o poema e eis o quadro (foto):

Reprodução

Pequeno soneto da mais completa cumplicidade do meu anjo da guarda

Soneto: Gonzaga Leão
Música: Mácleim

Não sei mesmo o que se passa
Com o meu anjo da guarda:
Acostumou-se a deixar-me
Sem deixar nenhum recado,

Só volta de madrugada
Asas debaixo do braço,
Curtindo sono e cansaço
Cheirando a puta e a cachaça.

Aí chamo esse menino,
O critico, o recrimino,
Finjo que não o conheço.

Ele, então, me estende os braços
Me abraça, e ao seu abraço,
Fecho os olhos. Adormeço.”

No +, MÚSICABOAEMSUAVIDA!🎶🎶🎶

Deixe uma resposta