Em demonstração de desprezo pelo patrimônio histórico, Bolsonaro promove desmonte do Iphan

Investimentos, que chegaram a R$ 30 milhões somente para Alagoas no governo Dilma Rousseff, foram reduzidos a R$ 3 milhões em 2020, para todo o Brasil

0

21 de junho de 2022 por Da Redação

Patrimônio histórico no município de Marechal Deodoro | Divulgação

A exemplo do que ocorre com Ibama, ICMBio e Funai, o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) passa por um momento de desmonte promovido pelo governo de Jair Bolsonaro, marcado pela drástica redução de recursos e aumento da burocracia interna, engessando a atuação dos servidores do órgão.

Para se ter uma ideia, os investimentos, que chegaram a R$ 30 milhões somente para Alagoas no governo Dilma Rousseff, foram reduzidos a R$ 3 milhões em 2020, para todo o Brasil. Em 2021, o Iphan teve apenas R$ 1,5 milhão para desenvolver suas atividades de preservação e divulgação do patrimônio material e imaterial do país.

Não satisfeito, o governo federal impôs uma regra que dificulta em muito as ações de fiscalização. Bolsonaro tirou dos superintendentes estaduais a atribuição de autorizar a emissão de viagens fora da região metropolitana, mesmo que o Plano de Fiscalização o tenha detalhado. Essa responsabilidade, agora, é da presidente do Iphan, Larissa Peixoto.

Isso significa que a presidente do Iphan, com todas as atribuições que tem, precisa autorizar, para cada um dos estados do Brasil, toda e qualquer viagem que é atribuição constitucional do órgão.

A burocracia ainda faz outras exigências:

  • Um cadastro de pedido de autorização por vez, a cada fiscal, 40 dias antes da data marcada; isso gera 40 dias de espera, ansiedade e re-cobranças de justificativas, comprovações que já existem no plano de fiscalização etc.
  • Aprovada e feita a viagem, a burocracia continua: a Presidência precisa, igualmente, aprovar o relatório de viagem, outros tantos dias e re-cobranças e re-fazimentos, para, daí, cadastrar outra viagem.

O resultado é uma queda drástica na constância das fiscalizações. Antes, eram necessárias uma semana para autorizar e outra para programar a próxima viagem de fiscalização. Agora, a equipe do Iphan consegue realizar apenas uma fiscalização a cada 40 dias, na melhor das hipóteses.

Ações em Penedo devem cair de quinzenais para a cada 40 dias | Divulgação

Há muito tempo, o Iphan em Alagoas mantinha uma recorrência de fiscalização quinzenal para a cidade de Penedo, por exemplo. Graças ao órgão federal, o Convento de Penedo e de Marechal, a igreja de Ipioca e outros tantos imóveis de Penedo e Marechal Deodoro foram salvos de interdição.

Agora, este trabalho está ameaçado. O 082 Noticias apurou que, em 2006, o Iphan em Alagoas empenhou em investimentos e conservação algo em torno de R$ 150 mil; três anos depois, já empenhara obras no valor de R$ 10 milhões; e, num crescente a partir do PAC Cidades Históricas, criado pelo governo petista, R$ 70 milhões em investimentos que mudaram o perfil de atuação do Instituto para aquelas comunidades que o viam apenas como um chato órgão fiscalizador.

Bolsonaro segue na sua sanha de desmonte do estado, atacando os sistemas públicos de fiscalização de direitos difusos. Ele precisa ser contido.

Deixe uma resposta