quarta-feira 7 de dezembro de 2022

Respeito; em Madagascar

A penúria deles pode estar perversamente conectada ao nosso bem-estar.

24 de setembro de 2022 6:39 por Mácleim Carneiro

 

Já andei ouvindo par aí se deve ser folclore ou cultura popular a denominação correta para a expressão artística do nosso povo. A meu ver, é pura masturbação intelectual, que acontece em tertúlias de quem não põe a mão na massa (como eu) e sabe muito bem que questões muito mais importantes e urgentes precisam ser pensadas e resolvidas nessa seara.

O dia 22, do mês passado, foi mais um Dia Mundial do Folclore. Mas, e daí? Tenho a impressão de que, se for feita uma avaliação histórica, pouca coisa deve ter mudado desde que em 1996 – também no Dia Mundial do Folclore –, assisti na TV a saudosa Maria Vitória, Mestra de Guerreiro, falando de suas agruras para manter viva uma das mais autênticas manifestações da nossa cultura popular. Ela dizia que todo paramento do seu Guerreiro era comprado com a sua minguada aposentadoria, e que ninguém lhe ajudava com uma fitinha colorida sequer. Se, pelo menos, ela tivesse uma aposentadoria do nababesco poder judiciário (tipo aquelas que os magistrados recebem como punição pelas falcatruas cometidas no exercício da função), vá lá, estaria reclamando de barriga cheia. Infelizmente, Mestra Vitória já partiu fora do combinado, porém, os mestres e mestras, que ainda estão na lida, vivem à míngua e sendo explorados. De pires nas mãos, tornam-se presas fáceis e são ferramentas de grande utilidade para demagogia política que, não é de hoje, detectou o quanto essas pessoas são vulneráveis, por possuírem em si a pureza e a transparência do clamor contido no propósito da alma: exercer a arte que lhes foi transmitida. São manipuláveis, apesar da força arrebatadora do trupe, nos ritmos marcados por instrumentos não sofisticados. São indefesos, apesar dos cantos e loas vigorosos, nas vozes ásperas e expressionistas daqueles que, de berço, trazem a cultura popular pululando em suas veias.

Credores Meritórios

A penúria deles pode estar perversamente conectada ao nosso bem-estar. Por isso, chamem como quiser: assistencialismo, paternalismo, seja lá o que for; o fato é que os poucos mestres e mestras contemplados pela Lei de Registro do Patrimônio Vivo (Lei dos Mestres) são mais do que credores meritórios, são dignos de algo ainda mais substancial e tão necessário quanto o respeito. Isso me faz lembrar um fato que aconteceu comigo e pode ilustrar com clareza o que deveria ser regra, para os nossos artistas do folclore ou cultura popular, como queiram.

Estávamos em turnê pela Europa, quando tive a oportunidade de assistir a uma apresentação do grupo folclórico de Madagascar, Feo-Gasy. Após o show, fui convidado para jantar com eles e aproveitei para pedir o autógrafo de cada um, no disco que eu havia comprado. Um por um foi perguntando meu nome e autografando, nas respectivas páginas em que havia suas fotografias, no encarte do disco. Quando, finalmente, cheguei ao líder do grupo, Rakoto Frah, um velhinho que, suponho, tinha mais de 80 anos, ele não perguntou meu nome e apenas fez um rabisco, em forma de zig-zag horizontal. Intrigado com aquilo, perguntei a outro componente do grupo se realmente era assim a assinatura dele. Ele então me respondeu que não era uma assinatura, pois Rakoto Frah era analfabeto. Na seqüência, pegou sua carteira porta-cédula, retirou uma nota, dinheiro de Madagascar, e me mostrou. Na cédula estava impresso o rosto de Rakoto Frah, um mestre da cultura popular em Madagascar.

No +, MÚSICABOAEMSUAVIDA!!!

Mais lidas

Redes bolsonaristas usam Lula, PT e religião na convocação para o 7 de setembro

24 de setembro de 2022 6:39 por Mácleim Carneiro Por Bruno Fonseca, da Agência

Equatorial deve reposicionar postes para permitir construção de rodovia

24 de setembro de 2022 6:39 por Mácleim Carneiro A juíza Marcli Guimarães, da

Linha que atende a Avenida Rota do Mar receberá reforço nos dias úteis

24 de setembro de 2022 6:39 por Mácleim Carneiro A Superintendência Municipal de Transportes

O que defendem os deputados federais de Alagoas

24 de setembro de 2022 6:39 por Mácleim Carneiro A bancada de Alagoas na

Paulo Dantas não empolga aliados e sua escolha para governador-tampão dá sinais de esvaziamento

24 de setembro de 2022 6:39 por Mácleim Carneiro A indicação do nome do

Antes de greve geral, policiais civis fazem manifestação cobrando reajuste salarial

24 de setembro de 2022 6:39 por Mácleim Carneiro Em luta para conseguir que

Internações por Covid aumentam e governador Renan Filho apela por cuidados

24 de setembro de 2022 6:39 por Mácleim Carneiro Mesmo considerado menos letal, o

Contratações de pessoas no Ensino Superior crescem 51% em Alagoas

24 de setembro de 2022 6:39 por Mácleim Carneiro Por Lucas Thaynan, da Agência

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *