sábado 20 de abril de 2024

Perspectivas de desenvolvimento para o Brasil

O legado da macroeconomia amigável ao mercado tem sido a drenagem de recursos dos setores produtivos mais dinâmicos, notadamente o industrial, para o setor financeiro.

13 de janeiro de 2023 9:01 por Reynaldo Rubem Ferreira Jr

 

www.bbc.com/portuguese/brasil-59557761 GETTY IMAGES

(*) Reynaldo Rubem Ferreira Jr (Professor da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade – FEAC – da UFAL).

A chegada de um novo governo sempre suscita muita especulação quanto ao sucesso ou não da política econômica. Estamos vivendo exatamente este momento no Brasil e o mercado financeiro procura descontar a valor presente suas expectativas futuras quanto ao preço dos ativos. Mas é preciso distinguir a incerteza oriunda de eventos econômicos inesperados da reação ao modelo de gestão econômica considerado não market friendly assumido pelo atual governo ao longo da campanha presidencial.

O nosso ponto aqui é que o sucesso econômico do Brasil nos próximos anos dependerá, primordialmente, da superação da narrativa mercado versus Estado com responsabilidade social. Para tanto é preciso deixar claro que o setor financeiro é uma parcela do mercado. No caso do Brasil, as atividades financeiras respondiam por 6,9% do PIB em 2020 depois de atingirem 8% em 2016, quando a selic alcançou 14%aa. Logo, a política econômica não pode ser orientada pelos interesses estritos das instituições financeiras.

Mas vamos tratar da distinção entre incerteza e reação à política econômica sinalizada pelo novo governo, colocada acima.

No tocante a precificação do futuro, o economista norte americano Paul Samuelson certa vez disse que Wall Street havia previsto dez das últimas seis recessões nos EUA. O fato dos economistas só eventualmente acertarem suas previsões está diretamente associado à economia não ser, para a frustração de muitos dos meus colegas de profissão, uma ciência exata, mas sim social e moral como considerava Keynes. Na realidade, não dá para fazer ilações macrodinâmicas a partir da agregação de decisões microeconômicas dos agentes econômicos como se estes não tivessem interesses divergentes. Isso significa dizer, em outras palavras, que não dá para desconsiderar o caráter político da política econômica, cujo sucesso está diretamente relacionado à capacidade de negociação com os diferentes segmentos da sociedade civil.

Recentemente o economista Olivier Blanchard, que está longe de ser considerado um heterodoxo, foi criticado por seus pares por afirmar que a inflação é o resultado da luta dos agentes econômicos (empresários e trabalhadores) por maior apropriação da riqueza gerada no país. Assim, reduzir um fenômeno tão complexo como a inflação à uma dimensão puramente monetária (excesso de demanda sobre a oferta) é o que tem levado o próprio Blanchard a criticar a visão do “pensamento único” macroeconômico de estabilização de preços: “um instrumento (juros), uma meta (inflação)”.

A reação do mercado financeiro à proposta do novo governo de gestão macroeconômica, a meu ver a razão primordial para a chiadeira, o ponto de discordância está na visão, dita não amigável ao mercado, que a política econômica deve coordenar os instrumentos de políticas monetária e fiscal visando dar estabilidade e sustentabilidade ao crescimento, com inclusão social e desconcentração da renda. A execução de tal política não atende aos interesses do mercado financeiro porque mexe com a estrutura de distribuição da riqueza, alterando a estrutura tributária e tornando-a menos regressiva. Também, requer juros compatíveis com o retorno dos setores produtivos.

A construção de tal sintonia fina entre os instrumentos de política macroeconômica, por sua vez, não só demanda tempo como só é possível com um arcabouço fiscal que envolva tanto o lado dos gastos (com regra crível e ajustável de controle das despesas) quanto o da receita (a partir de uma reforma tributária que possa diminuir o caráter regressivo da distribuição dos impostos no país). Do ponto de vista monetário, para que o sistema financeiro seja funcional (com os recursos fluindo da esfera financeira para a produtiva da economia) a taxa básica de juros não pode ficar acima da taxa de crescimento do PIB.

O legado da macroeconomia amigável ao mercado tem sido a drenagem de recursos dos setores produtivos mais dinâmicos, notadamente o industrial, para o setor financeiro. Ou seja, temos a maior taxa básica de juro real do mundo, de 7,5%aa, alavancando a rentabilidade dos bancos no Brasil, o que explica a presença de quatro entre os dez maiores bancos do mundo (Santander, Itaú Unibanco, Banco do Brasil e Bradesco) no ranking de rentabilidade sobre o patrimônio (ROE) de instituições com mais de US$ 100 bilhões em ativos, segundo levantamento da Economatica em dezembro de 2021. Enquanto o faturamento real da indústria brasileira, por sua vez, caiu 22,5% em relação ao seu pico em agosto de 2013, a participação da indústria de transformação no PIB passou de 15% em 2010 para 11,3% em 2021.

Os reflexos sociais de tal política econômica são pronunciadamente negativos. A taxa média de desemprego (IPEA) que era de 7,4% em 2012 atingiu 13,5% em 2021. De acordo com dados do IBGE no mesmo período, 17,9 milhões de brasileiros estavam na extrema pobreza e 62,5 milhões na pobreza. Estimativa da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO), 61,3 milhões de pessoas no Brasil lidam com algum tipo de insegurança alimentar.

Em termos de distribuição da riqueza, segundo a BBC, “os 50% mais pobres possuem apenas 0,4% da riqueza brasileira (ativos financeiros e não financeiros, como propriedades imobiliárias) (…) Os 10% mais ricos no Brasil possuem quase 80% do patrimônio privado do país. A concentração de capital é ainda maior na faixa dos ultra-ricos, o 1% mais abastado da população, que possui, em 2021, praticamente a metade (48,9%) da riqueza nacional. Nos Estados Unidos, o 1% mais rico detém 35% da fortuna americana”.

As consequências econômicas e sociais desse quadro de exclusão não podem ser ignoradas no desenho da política de desenvolvimento para o país. Para enfrentar esse desafio, é preciso desconstruir a narrativa que a política econômica com responsabilidade social é prejudicial aos setores produtivo e financeiro. Na realidade, no tocante aos primeiros, tal política sustenta a necessidade da maior articulação entre as políticas industrial, agrícola, comercial, tecnológica e ambiental, endereçando as parcerias estratégicas entre os setores públicos e privados. Quanto aos bancos, tanto públicos como privados, é preciso resgatar a funcionalidade do sistema com foco no financiamento aos setores produtivos a taxas que permitam a rentabilização dos investimentos.

Transitar da política amigável aos interesses do mercado financeiro, adotada até então, para uma que contemple o bem-estar da maioria da sociedade não será fácil. Mas estou convencido de que as perspectivas de desenvolvimento econômico, social e ambiental para o Brasil dependerão do sucesso de tal transição e que, como diz um velho adágio popular, “não se faz omelete sem quebrar ovos”.

Mais lidas

CPI da Braskem tem 35 dias para concluir investigação, que inclui visita aos bairros destruídos

13 de janeiro de 2023 9:01 por Reynaldo Rubem Ferreira Jr Com o objetivo

Sem declarar IR cidadão não pode sequer receber prêmio de loteria que, acumulada, hoje sorteia

13 de janeiro de 2023 9:01 por Reynaldo Rubem Ferreira Jr O prazo para

Risco de morte após a febre chikungunya continua por até 84 dias, diz Fiocruz

13 de janeiro de 2023 9:01 por Reynaldo Rubem Ferreira Jr Em meio à epidemia

Saúde volta a alertar alagoanos sobre medidas de prevenção contra a dengue

13 de janeiro de 2023 9:01 por Reynaldo Rubem Ferreira Jr A Secretaria de

PF indicia filho de Bolsonaro por falsidade ideológica e lavagem de dinheiro

13 de janeiro de 2023 9:01 por Reynaldo Rubem Ferreira Jr A Polícia Federal

FAEC anuncia calendário anual de eventos esportivos para o público escolar

13 de janeiro de 2023 9:01 por Reynaldo Rubem Ferreira Jr A Federação Alagoana

Bar do Doquinha: o lar enluarado da boemia

13 de janeiro de 2023 9:01 por Reynaldo Rubem Ferreira Jr Por Stanley de

Seduc anuncia processo seletivo para a Educação Especial

13 de janeiro de 2023 9:01 por Reynaldo Rubem Ferreira Jr A Secretaria de

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *