domingo 19 de maio de 2024

Sessão da sova

11 de abril de 2023 3:32 por Adelmo Marques Luz

www.icrc.org/pt/document

 

Quem não arrisca não petisca”, diz o extravagante adágio popular. Repetido ao longo do tempo, o provérbio apela para a crença de que a vida é um jogo e assim deve ser encarada, incutindo no espírito dos afoitos apostadores o fascínio pelos riscos, cujo êxito não depende exclusivamente da vontade dos interessados. Estimulados pela recomendação da máxima, de caráter prático, compulsivos jogadores apegam-se à possibilidade de ganhar o mundo ou o nada, e mergulham nesse carrossel cheio de precipícios, indo às últimas consequências, ignorando que são imprevisíveis os caprichos da sorte, e que nem todos que os desafiam logram êxito.

Nessa perspectiva, imagine o leitor, um larápio conhecido pela alcunha de “Negro Vamp,” que estava preso em um Distrito Policial situado na periferia da cidade, numa época em que inexistia qualquer tipo de controle ou fiscalização da atividade policial, concordou enveredar por uma arriscada empreitada no afã de conquistar sua liberdade, a exemplo do que faziam os antigos gladiadores nas arenas romanas, quando submetidos às ferocidades dos espetáculos, sob os apupos de uma plateia sedenta de beber o sangue derramado.

Após alguns dias na agonia da clausura, à espera da morosa burocracia, Vamp media o tempo pelo latejar da ansiedade que lhe devorava as entranhas. Sentia-se estressado como um pássaro silvestre aprisionado numa cumbuca. Ali convivia com outros delinquentes, roçando-se uns nos outros pela falta de espaço, e batendo-se contra uma praga de implacáveis percevejos que lhes tiravam o sono.

Tratava-se de uma criatura ainda jovem, mas com o futuro de antemão desfeito. Não era um delinquente feroz, mas nocivo, e de posse de um pé de cabra devassava, mesmo que trancado a sete chaves, o mais oculto tesouro. Foi marcado pela miséria da fome e a angústia da escassez, e desde tenra idade manteve contato com o mal semeado pelo mundo. Morava com a mãe promíscua, que tinha filhos de vários homens, numa rua de barro da periferia onde o esgoto corre a céu aberto.

Fora preso em flagrante quando praticava um pequeno furto, delito no qual era reincidente. Tentou, em vão, evadir-se da equipe policial escalando um muro que lhe daria fuga por um terreno baldio, mas terminou surpreendido e cedeu diante do cerco que lhe armaram. A delegacia para onde fora conduzido estava instalada em um prédio velho e mal conservado, e da cela exígua exalava um cheiro fétido, proveniente de uma vasilha que fazia as vezes de latrina.

Numa madrugada quente, quando os meliantes dormitavam um sono leve e entrecortado, foram despertados pelo roçar metálico das chaves abrindo o cadeado. Era o carcereiro, homem de gênio esquisito, semblante duro e braços pesados que ordenava num tom de voz pouco amigável:

– Escutem aqui, seus pilantras, querem sair desse buraco? A princípio ninguém entendeu o sentido da pergunta, mas permaneceram quietos à espera de mais explicações:

– Sabem como é, continuou o guarda, as festas se aproximam e nesta época do ano baixa o espírito natalino no doutor. Referia-se à autoridade policial do distrito, o delegado Verdugo, que pronunciava palavras frias e circunspectas, e era famoso por suas práticas aterrorizantes, infligidas aos detentos para obter confissões. Dizia-se que com ele à frente de um inquérito não havia enigma, causa oculta, estabelecia-se a “verdade” de qualquer crime, determinando sua autoria, mesmo que para isso recorresse aos mais espúrios desígnios.

“O segredo é não permitir que o cabra tenha sossego, senão ele pensa e articula álibis mirabolantes,” dizia, vangloriando-se do seu conjunto de métodos próprios que considera infalíveis.

Naquela época, da qual muitos sentem saudades, a tortura proliferava como um expediente trivial nas delegacias, palco onde ocorriam escandalosas representações do gênero. Pela sua duradoura repetição, essa “arte” encontrou, até pouco tempo atrás, muita serventia, e sobreviveu ao longo do tempo como uma espécie de instituição, embora revestida de absurda ilegalidade. Para tanto, contava com a tolerância e indiferença da sociedade a despeito do seu caráter desumano. O ritual meticuloso dos carrascos durante os interrogatórios recaía de forma direta e implacável sobre o corpo indefeso, num confronto desigual e covarde entre o torturador e o supliciado, como um eficiente modus operandi de se apurar a materialidade e autoria de um crime.

– Topam tomar parte na sessão da sova?

O carcereiro exortava os presos a participarem de uma famosa concorrência, estimulando-lhes o espírito de emulação:

– É só ter coragem de amortecer algumas pancadas… Nada mais do que isso… Quem se habilita? É pegar ou largar!

Quando o plantão transcorria sem maiores alterações os agentes, desejando espantar o sono, propunham a liberdade a quem se tornasse vencedor no certame. Aquele que suportasse os suplícios no prazo predeterminado estava livre; caso contrário, continuaria a mofar na masmorra para onde retornava lambendo as feridas adquiridas na disputa. Mas o convite só era extensivo a quem havia praticado “broncas safadas”, de menor potencial ofensivo. Consistia numa “brincadeira” na qual o detento teria de suportar durante trinta minutos, preferencialmente sem intervalos, sob pena de haver prorrogação, de uma variação de golpes desferidos no corpo de quem aceitasse o difícil e penoso desafio.

– Eu topo, disse Nêgo Vamp, com a voz cheia de mansuetude.

– Passe para fora, ordenou o guarda.

– Alguém mais?

Recebeu o silêncio como resposta. Somente Vamp, que tinha os olhos cheios de remelas e agastados pelo enfado, acompanhou o guarda que atendia pela excêntrica e espantosa alcunha “Macabro”, em razão do seu tema preferido ser a morte. Seguiram por um corredor estreito e escuro. No final da via-crúcis, entraram na “Sala dos Conselhos”, onde havia numa parede encardida a seguinte inscrição em letras legíveis e garrafais: “Quem já passou por aqui e disse que não apanhou é mentiroso.”

Toda a turma de plantão estava presente. No canto da sala, um agente que trajava um casaco de couro escuro e calçava botas lustrosas, ocupava-se em limpar sua pistola com o esmero semelhante ao dos colecionadores. Chamavam-no de Nado Beretta, devido a sua ufana preferência por esse tipo de arma. Sobre um birô velho e escorado, repousavam alguns apetrechos que seriam utilizados no jogo insidioso. Embaixo de uma pia, disponíveis como os únicos instrumentos de primeiros socorros, um recipiente com água e um pano mais sujo que toalha de mecânico. Sem subterfúgios o Dr. Verdugo, homem que demonstrava uma severidade fatalista, apressou-se em esclarecer:

– Espero que o senhor entenda o espírito da coisa. Afinal de contas você há de convir que aceitou participar do certame amistosamente, não é verdade? Não se preocupe com os nossos métodos. Asseguro-lhe que as regras são convencionais, e pela minha experiência, adquirida ao longo dos anos (dizia isso com uma imoderada vaidade), posso lhe dar proveitosas sugestões. A primeira delas é que você deve se comportar com indiferença às molestações, ignore os dissabores e os gravames. Apenas isso. No mais, é procurar manter a tranquilidade a qualquer custo. Imagine-se num parque de diversão, participando de uma atividade lúdica… Nos momentos agudos você até pode extravasar gritando, faz parte do jogo, mas lhe advirto que não haverá intervalo, exceto em situações extremas, senão esfria o corpo e termina por esmorecer o ânimo. E então, podemos começar?
Antes mesmo de consentir, Nêgo Vamp ouviu alguém intimidando-o numa linguagem sentencial:

– Tire a roupa, Negão!

Vamp sentiu os arrepios do medo comum aos condenados a caminho do cadafalso, mas não ousou desistir. Recuar naquela altura dos acontecimentos seria sinônimo de fraqueza. Seu corpo foi borrifado com um líquido que chamavam pejorativamente de água benta. Enfim, a contenda teve início com a sessão “manicure”, na qual um dos agentes utilizou-se de um alicate para lhe extrair algumas unhas. Com as mãos ensanguentadas, Vamp teve que disponibilizá-las sobre a mesa para que lhe aplicassem uma sequência de bolos. O estalido dos golpes da palmatória o fez emitir gritos prolongados que atravessavam o ambiente lacrado. Resistia contra a dor e suportava os assaltos dos suplícios como Prometeu, acorrentado por Zeus, no cume do monte Cáucaso, onde todos os dias um abutre dilacerava seu fígado. Sem descontinuar, Vamp foi conduzido ao pau-de-arara e, à medida que um torturador lhe aplicava choques elétricos na cabeça, outro se ocupava em introduzir-lhe um cassetete no ânus. Até então, o embate prosseguia sem intervalos, mas com a aplicação de uma série de “telefonemas” ensurdecedores que estouraram seus tímpanos, caiu desacordado, e a contenda foi interrompida até que fosse reanimado pela água. A expressão do seu rosto desvanecido denotava que já havia chegado ao limite. Àquela altura da peleja eram visíveis as grandes chagas arroxeadas distribuídas pelo corpo, mas seguiu apanhando intensamente. Sem voz, os gritos já não saíam, apenas gemia, enquanto os homens suados cercavam-no como um bando de corvos. Num acesso irresistível de náusea Vamp vomitou um líquido viscoso e esverdeado, o que desagradou os agentes por tê-los deixado repugnados.

Enfim, o tempo havia expirado. Vamp foi salvo pelo gongo. Todos ficaram impressionados com a resistência do negro e felicitaram-no por isso. Até então, ninguém tinha conseguido realizar o feito heroico. Suportou uma surra que mataria uma mula. A desenvoltura dos algozes na aplicação dos suplícios foi tamanha que certamente seria uma demonstração valiosa às observações acadêmicas de Beccaria.*

Vamp vislumbrou poder antecipar seu retorno ao convívio no seu mundo, em sossegada liberdade, sem ter de derramar lágrimas de sangue e tardias pelas baixas sofridas no campo de batalha. Imaginara poder repetir o feito de Davi, o israelita, que lutou sem espada nem armadura e venceu o gigante filisteu chamado Golias. Os despojos a que Vamp teve direito, oriundos da batalha insana, foi perder irremediavelmente a mobilidade das pernas que secaram com rapidez, privando-o do direito natural de locomover-se livremente. O infeliz terminou seus dias arrastando-se pelas calçadas a pedir esmolas, lamentando ter apostado em circunstâncias que lhes eram absurdamente adversas.

Adelmo Afonso de M. M. Luz

*Cesare Beccaria – Marquês de Beccaria (Milão 1738/1794), jurista, filósofo, economista e literato italiano, autor da obra “Dos Delitos e das Penas”, onde denunciou as torturas empregadas como meio de se obter a prova do crime.

 

Mais lidas

Sem declarar IR cidadão não pode sequer receber prêmio de loteria que, acumulada, hoje sorteia

11 de abril de 2023 3:32 por Adelmo Marques Luz O prazo para entrega

Risco de morte após a febre chikungunya continua por até 84 dias, diz Fiocruz

11 de abril de 2023 3:32 por Adelmo Marques Luz Em meio à epidemia de

Saúde volta a alertar alagoanos sobre medidas de prevenção contra a dengue

11 de abril de 2023 3:32 por Adelmo Marques Luz A Secretaria de Estado

PF indicia filho de Bolsonaro por falsidade ideológica e lavagem de dinheiro

11 de abril de 2023 3:32 por Adelmo Marques Luz A Polícia Federal em

FAEC anuncia calendário anual de eventos esportivos para o público escolar

11 de abril de 2023 3:32 por Adelmo Marques Luz A Federação Alagoana de

Bar do Doquinha: o lar enluarado da boemia

11 de abril de 2023 3:32 por Adelmo Marques Luz Por Stanley de Carvalho*

Seduc anuncia processo seletivo para a Educação Especial

11 de abril de 2023 3:32 por Adelmo Marques Luz A Secretaria de Estado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *