quinta-feira 22 de fevereiro de 2024

‘Wonka’, sem sarcasmo de Tim Burton, é só um doce para as crianças

O filme foi classificado como regular
©Divulgação

Por Folha de S. Paulo

De “A Fantástica Fábrica de Chocolate”, de 1971, à versão de 2005 e agora até este “prequel” sobre a vida de Willy Wonka antes de se tornar Willy Wonka, parece que o mundo mudou. Aliás, mudou mesmo.

No filme de Tim Burton, o chocolateiro não era exatamente um admirador do ser humano. Até pelo contrário, as crianças atraídas à sua fábrica, loucas para se atolarem no chocolate, já trazem os defeitos dos adultos, da estupidez à ganância e à gula.

Um amargurado Willy Wonka está lá para puni-las naquilo que uma criança mais deseja (chocolates), e o fará sem piedade. Não é que seja um justiceiro agindo à margem da lei: Tim Burton trata de pôr em relevo, ali, figuradamente, as fragilidades do humano.

É bem outro o compasso em “Wonka”, em que um jovem Willy (Timothée Chalamet) chega a uma cidade onde se fabricam os melhores chocolates, disposto a impor as receitas fabulosas que herdou de sua mãe.

Jovem e inocente, Willy pensa que vai abafar graças a seu chocolate superior. Mas ali encontra, para começar, a concorrência de um cartel do chocolate disposto a aniquilar o recém-chegado.

Desde aí vemos que são filmes bem diferentes. “A Fantástica Fábrica” até podia ser visto por crianças, mas não era um filme infantil. “Wonka” é, ao contrário, totalmente dirigido ao gosto infantil. Não por acaso, a direção coube a Paul King, que trouxe o ursinho peruano Paddington a Londres, em dois filmes, de 2014 e 2017.

Agora as coisas são mais ambiciosas. Estamos, para começar, em um musical. Desde que se aprecie a música será possível a King soltar a imaginação e os efeitos especiais, de maneira que não raro veremos atores dançando no ar e coisas do tipo.

Na verdade, King parece usar os efeitos coreográficos como forma de jogar poeira nos olhos do espectador. Investe-se na grandiosidade, no causar impressão, nos planos aéreos, sem outro fim que não mostrar o quanto o filme é espetacular.

King não havia se saído mal em “As Aventuras de Paddington”. Talvez a dimensão do projeto o tenha intimidado. Os momentos de imaginação são poucos -o início do flashback em que Willy Wonka recorda a vida com a mãe é provavelmente o melhor deles.

No essencial, segue-se a cartilha do produto infantil padrão: vilões maltrapilhos, como os da hospedaria em que Willy e outros são aprisionados, ou como os sinistros concorrentes que por todos os modos tentam impedir Wonka de se estabelecer.

Nisso, dois personagens de apoio são marcantes: o primeiro, o pequeno Oompa-Loompa (Hugh Grant, ou pelo menos o rosto de Hugh Grant) e o padre Julius (Rowan Atkinson). Este segundo não deixa de ser uma original piscada de olhos aos pecados dos religiosos. O padre é um chocólatra perdido e capaz de cometer não poucos crimes para saciar seu vício.

Aqui também começam os pecados mais graves do filme. Estamos em uma cidade onde se produz chocolate e onde, aparentemente, todos adoram chocolates. É como se isso fizesse parte da natureza humana.

Com isso, o filme perde totalmente o equilíbrio, para nos atirar em um excesso de chocolate que salta tanto em barras quanto em barris, praticamente o tempo todo. O chocolate substitui um fabulário mais rico e, de passagem, a música não muito inspirada, que, com frequência, aproveita para cantar as virtudes do chocolate.

Chocolate que, a seguir as pegadas do filme, será bem adocicado, ao gosto infantil. De maneira que, desta vez, o prazer dos pais que levam os filhos ao cinema consistirá, quase sempre, em observar o prazer dos filhos diante dos tonéis de chocolate que pingam por todos os cantos da tela.

Como resumo, parece possível dizer que “Wonka” só faz sentido, como projeto, se for a prévia de uma nova versão de “A Fantástica Fábrica de Chocolate”, que adapte seu conteúdo à mediocridade do atual projeto. Como prequela, sequela ou que nome se prefira, não complementa nem o sarcástico filme de Tim Burton, nem a escrita de Roald Dahl.

WONKA

Avaliação Regular
Quando Estreia nesta quinta (7) nos cinemas
Classificação Livre
Elenco Timothée Chalamet, Keegan-Michael Key, Paterson Joseph
Produção EUA, 2023
Direção Paul King

Mais lidas

Saúde volta a alertar alagoanos sobre medidas de prevenção contra a dengue

A Secretaria de Estado de Alagoas (Sesau) volta a alertar a população alagoana sobre

PF indicia filho de Bolsonaro por falsidade ideológica e lavagem de dinheiro

A Polícia Federal em Brasília indiciou Jair Renan Bolsonaro, filho do ex-presidente Bolsonaro, pelos

FAEC anuncia calendário anual de eventos esportivos para o público escolar

A Federação Alagoana de Esportes Colegiais (FAEC) anunciou o calendário anual de eventos para

Bar do Doquinha: o lar enluarado da boemia

Por Stanley de Carvalho* Há 60 anos, quando os portões de Brasília começaram a

Seduc anuncia processo seletivo para a Educação Especial

A Secretaria de Estado da Educação (Seduc) divulgou no último dia 6, no Suplemento

Sesau reforça alerta que a Ivermectina não tem eficácia contra a dengue

A Secretaria de Estado de Saúde (Sesau) reforça junto à população alagoana que o

Dono de bar explica por que fica de olho em quem só pede água com

Por Pequenas Empresas, Grandes Negócios Se você pedir apenas água com gás ou uma Coca-Cola em

Um gigante negócio na Pajuçara

A Prefeitura de Maceió lançou em setembro de 2023 o edital PREGÃO ELETRÔNICO Nº

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *