quinta-feira 18 de abril de 2024

Disputas internas no PT enfraquecem luta contra a extrema-direita nas eleições de Maceió

Tendências lideradas por Paulão e Ronaldo Medeiros disputam comando da sigla no estado

22 de janeiro de 2024 10:06 por Geraldo de Majella

Foto: Assessoria

Para quem não é iniciado na militância político-partidária, no primeiro momento e sem informações detalhadas, não compreenderá a dinâmica interna do PT. O funcionamento do partido é estabelecido do equilíbrio entre as tendências internas que são grupos organizados com direções e dinâmicas próprias.

Dito dessa maneira, pode ser entendido como micropartidos albergados no interior da sigla que pode ser comparada a uma incubadora. Os estatutos disciplinam a vida interna. A tendência Construindo um Novo Brasil (CNB) é a maior, mas, para se manter no comando do partido, celebra alianças internas com outras tendências. Espero ter sido claro para o leitor compreender como funciona o PT.

Essa engrenagem é uma obra fabulosa de como um partido político disputa o poder interno e, nas questões gerais, constrói o que se convenciona chamar de unidade na ação. É bem verdade que há uma liderança que unifica a linha política, o presidente Lula.

Dito isto, em Alagoas, a Construindo um Novo Brasil (CNB), comandada pelo deputado federal Paulão, acompanha essa tendência em nível nacional.

O deputado estadual Ronaldo Medeiros, recentemente, se “filiou” à Resistência Socialista. Medeiros arregimentou militantes que se deslocaram de vários grupos, inclusive, da  CNB. Foi instalado, oficialmente, um novo polo de disputa que está se estruturando para disputar o poder interno no âmbito estadual.

 

Luta interna e falta de coragem política

O eleitor que votou nos candidatos apresentados pelo PT quer o partido na oposição à extrema-direita e à direita em Maceió. A esperteza eleitoral que pode ser chamada de pragmatismo é a erva daninha que vem corroendo o PT em Alagoas.

O que pensam os petistas – os dirigentes que se consideram articuladores – sobre a cidade de Maceió, além do lugar comum? Há uma massa crítica próxima ao PT, mas que não é filiada, são eleitores determinados a debater, articular e formular políticas para a cidade como um bem coletivo.

O fosso entre o PT e a sociedade vem sendo cavado faz tempo e é anterior às contendas internas mais recentes.

Ronaldo Medeiros não é reconhecido como líder de esquerda no PT e nem é considerado pela sociedade como um defensor das causas históricas da esquerda alagoana, pontualmente, fala sobre uma ou outra. Não quero dizer que seja demérito, isso é apenas uma constatação.

Medeiros é, na Assembleia Legislativa de Alagoas, um parlamentar filiado ao PT, mas que já foi do MDB. O retorno ao PT se deve ao cálculo eleitoral, o famigerado pragmatismo foi quem redefiniu a sua trajetória parlamentar. Ele venceu as eleições e vem tratando diuturnamente de conservar e, na medida do possível, ampliar as suas bases eleitorais no interior de Alagoas.

Não mantém relação e nunca procurou se inserir na vida da cidade e, menos ainda, estudar soluções para os graves problemas de Maceió. Os mais visíveis são os crimes praticados pela Braskem e as terríveis desigualdades sociais existentes e ampliadas nos últimos anos.

O deputado federal Paulão (PT-AL) | Divulgação

Indefinição eleitoral

O presidente do PT em Alagoas, Ricardo Barbosa, enviou uma nota de esclarecimento ao jornalista Voney Malta, reveladora da situação:

“Longe, mas muito longe do que o Deputado Ronaldo Medeiros afirma, foi ele próprio que, unilateralmente, como é de seu costume, se ofereceu para representar o PT na chapa majoritária nas eleições municipais deste ano, logo após o anúncio do Deputado Federal Paulão de que não desejava concorrer em anteditas eleições”.

Essa informação é tão grave quanto desistir da candidatura que não existiu formalmente. A improvisação de candidaturas só é possível porque o PT nunca elaborou estratégia eleitoral para disputar a Prefeitura de Maceió.

O eleitor e a militância petista, a não filiada que defende e carrega as bandeiras, vêm sendo empanados em detrimento das disputas internas que têm consumido energias e aumentado a taxa de ódio entre os contendores.

O silêncio diante do avanço da extrema-direita em Maceió não pode ser imputado a Ronaldo Medeiros, não é correto, o PT não sabe e ou falta coragem política para enfrentar os abutres da extrema-direita na capital alagoana.

Quem será o candidato petista a prefeito de Maceió?

 

Mais lidas

CPI da Braskem tem 35 dias para concluir investigação, que inclui visita aos bairros destruídos

22 de janeiro de 2024 10:06 por Geraldo de Majella Com o objetivo de

Sem declarar IR cidadão não pode sequer receber prêmio de loteria que, acumulada, hoje sorteia

22 de janeiro de 2024 10:06 por Geraldo de Majella O prazo para entrega

Risco de morte após a febre chikungunya continua por até 84 dias, diz Fiocruz

22 de janeiro de 2024 10:06 por Geraldo de Majella Em meio à epidemia de

Saúde volta a alertar alagoanos sobre medidas de prevenção contra a dengue

22 de janeiro de 2024 10:06 por Geraldo de Majella A Secretaria de Estado

PF indicia filho de Bolsonaro por falsidade ideológica e lavagem de dinheiro

22 de janeiro de 2024 10:06 por Geraldo de Majella A Polícia Federal em

FAEC anuncia calendário anual de eventos esportivos para o público escolar

22 de janeiro de 2024 10:06 por Geraldo de Majella A Federação Alagoana de

Bar do Doquinha: o lar enluarado da boemia

22 de janeiro de 2024 10:06 por Geraldo de Majella Por Stanley de Carvalho*

Seduc anuncia processo seletivo para a Educação Especial

22 de janeiro de 2024 10:06 por Geraldo de Majella A Secretaria de Estado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *