sábado 20 de abril de 2024

Relator da CPI da Braskem deve ser definido amanhã e Cunha tenta impedir Calheiros

20 de fevereiro de 2024 11:46 por Da Redação

Senador Omar Aziz diz que relator será aquele que possa melhor ajudar na investigação | Fotos: Agência Senado

Depois de tentar, sem êxito, impedir a criação da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Braskem, o senador Rodrigo Cunha (Podemos/AL) volta a atacar o senador Renan Calheiros (MDB/AL) que propôs a investigação sobre o crime socioambiental cometido em Maceió, pela petroquímica. Cunha tenta impedir que Calheiros seja indicado relator da Comissão, argumentando que a escolha de um nome que não seja alagoano dará mais credibilidade às investigações.

O relator deve ser escolhido na primeira reunião de trabalho da CPI, marcada para esta quarta-feira, 21, às 10h.

“Dentro do que foi conversado nas quatro paredes, gostaria em público que fique claro que nenhum senador do estado será o relator. Em busca de isenção, para não colocar em xeque a credibilidade da condução dessa CPI (…). Eu vou sair daqui extremamente insatisfeito se não tiver aqui formalmente e cabalmente dito por todos que Renan Calheiros não será o relator — afirmou Rodrigo Cunha, na primeira sessão da CPI.

O senador Renan Calheiros reagiu, descartando a argumentação do colega alagoano, que definiu como interferência nas suas ações como parlamentar.

“Não posso aceitar que limite meu mandato (…) E tenho certeza que o presidente Omar Aziz vai escolher o relator no momento adequado e aquele que possa melhor ajudar na investigação, que precisa ser feita urgentemente. O problema [em Maceió]  continua”  – afirmou Renan.

Comissão volta a se reunir nesta quarta-feira, 21, e deve escolher seu relator

A condição proposta por Rodrigo Cunha foi contestada também pelo senador Otto Alencar (PSD-BA), que conduziu a reunião de instalação da CPI. Para ele, o relator pode ser isento mesmo que seja de Alagoas.

“É uma questão técnica, saber como foi que aconteceu isso [referindo-se aos danos ambientais no solo de Maceió]. Quem foi o técnico que autorizou a extração em demasia no subsolo? (…) Será escolhido o relator com a concordância de todos os componentes da Comissão Parlamentar de Inquérito” – afirmou o senador baiano.

A CPI da Braskem tem prazo de 120 dias para realizar a investigação sobre o desastre provocado pela extração do mineral sal-gema na capital alagoana. As consequências destrutivas da retirada do mineral, que começou nos anos 1970, começaram a surgir em 2018, com afundamento do solo e o surgimento de crateras nos bairros Pinheiro, Mutange, Bebedouro, Bom Parto e Farol. O prazo da investigação termina em 22 de maio próximo.

Além de Renan Calheiros, estão nas relatorias o próprio Rodrigo Cunha e os senadores Efraim Filho (União/PB) e Cid Gomes (PSB/CE).

Fonte: Agência Senado

Mais lidas

CPI da Braskem tem 35 dias para concluir investigação, que inclui visita aos bairros destruídos

20 de fevereiro de 2024 11:46 por Da Redação Com o objetivo de investigar

Sem declarar IR cidadão não pode sequer receber prêmio de loteria que, acumulada, hoje sorteia

20 de fevereiro de 2024 11:46 por Da Redação O prazo para entrega da

Risco de morte após a febre chikungunya continua por até 84 dias, diz Fiocruz

20 de fevereiro de 2024 11:46 por Da Redação Em meio à epidemia de dengue

Saúde volta a alertar alagoanos sobre medidas de prevenção contra a dengue

20 de fevereiro de 2024 11:46 por Da Redação A Secretaria de Estado de

PF indicia filho de Bolsonaro por falsidade ideológica e lavagem de dinheiro

20 de fevereiro de 2024 11:46 por Da Redação A Polícia Federal em Brasília

FAEC anuncia calendário anual de eventos esportivos para o público escolar

20 de fevereiro de 2024 11:46 por Da Redação A Federação Alagoana de Esportes

Bar do Doquinha: o lar enluarado da boemia

20 de fevereiro de 2024 11:46 por Da Redação Por Stanley de Carvalho* Há

Seduc anuncia processo seletivo para a Educação Especial

20 de fevereiro de 2024 11:46 por Da Redação A Secretaria de Estado da

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *