quinta-feira 23 de maio de 2024

‘Não sobrou nada’: Maceió carrega as cicatrizes ambientais da mineração de sal

Colapso de mina de sal-gema é ponta do iceberg de décadas de negligência ambiental. Uma CPI investiga o caso

17 de março de 2024 10:35 por Da Redação

Mina 18 da Braskem colapsa em Maceió, Alagoas, em dezembro de 2023. Moradores e especialistas dizem que cinco décadas de mineração levaram à perda de manguezais e ao desmoronamento do solo ao redor da Laguna Mundaú (Imagem: Jonathan Lins/Alamy)

Por Raíssa França, do Diálogo Chino

Em 1976, uma sombra se erguia na paradisíaca costa de Maceió, em Alagoas: a chegada de uma fábrica para produzir PVC, material usado na fabricação de produtos plásticos.

Aberta pela Salgema Indústria Química S/A, a fábrica construída no bairro do Pontal da Barra — um trecho entre a laguna Mundaú e o mar — era estratégico, devido à abundância em seu subsolo de sal-gema, mineral fundamental para a produção do PVC.

Porém, quase cinco décadas depois, a área se tornaria palco de uma das maiores tragédias socioambientais do Brasil: a extração de sal-gema causou o afundamento do solo em áreas residenciais, provocando o deslocamento de 60 mil pessoas de cinco bairros pelo risco de desabamento de imóveis  a partir de 2018. Em dezembro de 2023, o rompimento da Mina 18, às margens da laguna, trouxe ainda mais impactos às suas águas e entorno.

Agora, o caso volta a ter destaque com os trabalhos de uma comissão parlamentar de inquérito para investigar os danos ambientais da região e as possíveis falhas e omissões do governo e da companhia na extração de sal-gema. Ao mesmo tempo, as vítimas buscam justiça levando a empresa e suas subsidiárias internacionais a um tribunal na Holanda.

Para além dos impactos humanos, a área de restinga e manguezais, outrora uma paisagem idílica, foi transformada pelo avanço da indústria. “Era um verdadeiro paraíso ecológico”, disse ao Diálogo Chino o professor e ecologista aposentado José Geraldo Wanderley Marques, um dos mais longevos e firmes ativistas contrários ao empreendimento.

Vista histórica da laguna Mundaú, em data desconhecida. Outrora uma paisagem de manguezais e restingas, a chegada das minas de sal e da fábrica de PVC tornou a área mais hostil a espécies animais, como garças, maçaricos e colhereiros (Imagem: IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística)

Nos manguezais, aves costeiras como garças, maçaricos e colhereiros, encontravam habitat. Além disso, caranguejos, siris e peixes dependiam desse ecossistema para se alimentar e reproduzir. Com a instalação da fábrica, a região tornou-se hostil para todas essas formas de vida.

“O que sobrou do que tinha antes? Nada”, completou Marques.

Negligência da empresa

A Salgema surgiu em 1970 de uma parceria do Banco Nacional do Desenvolvimento, o BNDES, com um empresário baiano e a Dupont, gigante química norte-americana. Mais tarde, a Petroquisa, subsidiária da estatal de petróleo Petrobras, assumiria a maior parte das ações.

Em meio à ditadura militar no Brasil, marcada pela propaganda do “milagre econômico”, a instalação da fábrica era promovida como um incentivo à economia local, lembra Marques, que na época ocupava um cargo na área ambiental do governo de Alagoas.

Além das reservas minerais, o local gerou interesse comercial pela facilidade de exportar sua produção a partir da infraestrutura portuária de Maceió e de acesso à água para uso no processo industrial.

Vista da Salgema no bairro Pontal da Barra, em Maceió, em data desconhecida. Desde que chegou, em 1976, a localização da fábrica oferece fácil acesso à água e ao sal-gema – essencial para a produção de PVC – presente no subsolo (Imagem: Museu da Imagem e do Som de Alagoas)

O projeto ignorou potenciais riscos ambientais, segundo Marques, e ergueu-se antes que autoridades locais, como ele, pudessem tomar providências. O licenciamento ambiental no Brasil só começou a ser exigido a partir de 1981, com a Política Nacional do Meio Ambiente.

Em 2002, após uma fusão de empresas do setor, a fábrica foi incorporada à recém-criada Braskem, petroquímica hoje controlada pela Petrobras e a empreiteira Novonor, ex-Odebrecht, cujo passado remete a um dos maiores escândalos de corrupção da história no Brasil e na América Latina.

A própria Braskem foi mencionada nas investigações da Odebrecht. Segundo consta de um acordo de leniência da Braskem, assinado em novembro  de 2016 com o Ministério Público Federal (MPF), ela usava caixa dois para pagar propina a políticos que pudessem celebrar contratos com a Petrobras  — não relacionados à mineração de Maceió.

Impactos visíveis da mineração

Com o afundamento do solo já visível em 2018, a Braskem encerrou a extração de sal-gema no ano seguinte. Em 2020, ela assinou dois acordos com os ministérios públicos federal e estadual, comprometendo-se a reparar, mitigar e compensar potenciais danos socioambientais e urbanísticos de suas atividades.

Casas abandonadas no bairro de Bebedouro, em Maceió, evacuadas após um tremor em 2018. Dois anos depois, a Braskem concordou com reparos, mitigação e compensação por potenciais danos socioambientais e urbanos decorrentes de suas atividades, embora moradores estejam insatisfeitos (Imagem: Jonathan Lins/Alamy)

Como resultado dos acordos, a empresa contratou uma consultoria para avaliar os impactos da extração de sal-gema. No documento, foram constatadas a perda de vegetação e a redução da população de animais, assoreamento da laguna e salinização de aquíferos.

Verônica Antunes, professora da Universidade Federal de Alagoas que acompanha o processo de mineração de sal-gema na região, afirma que 15 hectares de manguezais e restingas foram destruídos.

Antunes diz que a Braskem desconsiderou o impacto na área construída e em seu entorno e que as medidas de reparação propostas pela empresa não foram suficientes para recuperar a região. “Por mais que o agente causador [Braskem] tente repará-lo, a indenização não será suficiente para restabelecer a qualidade e as condições anteriores”, disse.

Cerca de 60 mil pessoas de cinco bairros foram evacuadas desde 2018 como resultado da atividade de mineração de sal-gema. Em dezembro passado, a Mina 18 ruiu, trazendo ainda mais impactos à laguna e ao entorno (Fonte de dados: Braskem; Mapa: Diálogo Chino)

Em nota ao Diálogo Chino, a Braskem informou que foi concluído 70% do plano de fechamento das minas e que o trabalho será finalizado até meados de 2025. Em seu site, a empresa também listou medidas compensatórias que foram adotadas ou estão em andamento, como  a criação de uma rede de monitoramento do uso sustentável da água e investimentos em projetos de plantio de mangue para a proteção de espécies locais.

Mas apesar das ações, pescadores e marisqueiras reclamam principalmente da falta do molusco sururu na região. Segundo a professora da Universidade Federal de Alagoas, Natallya Levino, o sururu é crucial para a subsistência dos moradores da laguna Mundaú, além de ajudar a purificar a água e, por isso, servir como um indicador da saúde do ecossistema aquático.

“Essa redução pode afetar toda a comunidade, já que aqueles que dependem do sururu têm vulnerabilidade financeira”, ressaltou Levino, que estuda os impactos do desastre ambiental em Maceió.

Neirevane Nunes é bióloga e membro do Movimento Unificado de Vítimas da Braskem. Ela morou por 40 anos em Bebedouro, um dos bairros de Maceió afetados pelas rachaduras, até ser retirada do local em 2021: “Recebemos uma indenização irrisória da Braskem depois de três anos lutando com o MPF por uma avaliação justa”.

Peneiramento e limpeza de sururu, em Maceió. Especialistas afirmam que o aumento da salinidade causado pelo recente colapso da Mina 18 pode levar à desidratação do sururu, o que, por sua vez, pode afetar muitos moradores das margens da Laguna Mundaú que dependem financeiramente do molusco (Imagem: Alamy)

Além de vítima do acidente, a bióloga também monitora a saúde ambiental da laguna. Embora faltem dados conclusivos, ela diz que o aumento da salinidade provocado pelo colapso da mina pode levar à desidratação do sururu, comprometendo sua sobrevivência.

“Além desse estresse fisiológico para o sururu conseguir se adaptar às alterações de salinidade, ele tem que enfrentar outros desafios como a poluição e contaminação histórica da laguna Mundaú”, acrescenta ela.

Suas margens também sofreram com a ocupação urbana, às vezes irregular, com a falta de saneamento e outras atividades econômicas, como o cultivo de cana-de-açúcar e a operação de frigoríficos.

Além disso, o ácido clorídrico, um subproduto no processo de produção de PVC, e várias outras substâncias, acabaram despejadas em suas águas ao longo de anos, segundo José Geraldo Marques. No entanto, ele e outros especialistas dizem faltar estudos dos danos dessa contaminação.

Em resposta ao Diálogo Chino, a Braskem garantiu que atende a todos os requisitos de licenciamento desde a sua instalação, mas ignorou perguntas sobre a contaminação, incluindo se a empresa despejou resíduos nas águas.

Pescar ou ‘morrer de barriga vazia’

Mauro Pedro dos Santos, de 53 anos, cresceu ajudando seu pai na pesca desde os 3 anos de idade e hoje é presidente da Colônia dos Pescadores do Bebedouro, localizada às margens da laguna — uma área hoje desocupada. Ele lembra com saudade os dias em que a região era adornada por manguezais imponentes. “Tinha uma espécie de mangue, conhecido como siriba, que chegava a 30 metros de altura”, conta.

Naquela época, uma variedade de espécies de caranguejos e peixes, incluindo a moreia, abundavam na região. “Quando chovia, os caranguejos saíam dos buracos, e nós os pegávamos. Uns vendiam, outros comiam”, conta Santos.

Apesar de reconhecer que diversos fatores contribuíram para o declínio de espécies, o pescador não isenta a Braskem de responsabilidade. Nos últimos 15 anos, os impactos tornaram-se mais evidentes, com os manguezais diminuindo e o solo cedendo pela mineração de sal-gema.

“Chegou ao ponto em que locais onde costumávamos colher caranguejos e caminhar entre os manguezais agora têm cinco a seis metros de profundidade. O manguezal praticamente desapareceu”, lamenta.

Enquanto aguardam a indenização prometida pela empresa, numa única parcela de apenas três salários mínimos — ou R$ 4.236 —,  muitos pescadores desrespeitam a proibição de pesca e navegação próxima à mina 18, ao lado de Bebedouro, que colapsou em dezembro.

“As contas foram chegando, o dinheiro não entrava, e os pescadores preferiam ir pescar e garantir o sustento do que morrer de barriga vazia”, disse Santos.

Em 22 de fevereiro, autoridades locais reduziram a área proibida à pesca na laguna, declarando que o risco de um novo desastre havia sido controlado. Mas o pescador está cético com a nova diretriz, uma vez que os impactos ao local foram por décadas ignorados.

Para garantir a captura, muitos pescadores ignoraram a proibição de pesca imposta perto da Mina 18 após seu colapso. Eles ainda aguardam uma pequena indenização prometida pela empresa (Imagem: Joédson Alves/Agência Brasil)

Segundo ele, a regra vai de encontro com a estratégia da Braskem, que defende que apenas uma área seja interditada, como forma de reduzir a compensação aos pescadores. Pelos cálculos de Santos, 1,8 mil pescadores deveriam ser indenizados por perderem sua fonte de sustento. A Braskem não comentou a situação dos pescadores.

“Eles apenas diminuíram a área afetada para dar a impressão de que não há riscos para os pescadores”, disse Santos. “Se houver mais afundamentos e pessoas morrerem, será mais barato para a empresa indenizar as famílias de cinco ou seis pessoas do que compensar todos os pescadores que perderam sua fonte de sustento”.

Mais lidas

CPI da Braskem tem 35 dias para concluir investigação, que inclui visita aos bairros destruídos

17 de março de 2024 10:35 por Da Redação Com o objetivo de investigar

Sem declarar IR cidadão não pode sequer receber prêmio de loteria que, acumulada, hoje sorteia

17 de março de 2024 10:35 por Da Redação O prazo para entrega da

Risco de morte após a febre chikungunya continua por até 84 dias, diz Fiocruz

17 de março de 2024 10:35 por Da Redação Em meio à epidemia de dengue

Saúde volta a alertar alagoanos sobre medidas de prevenção contra a dengue

17 de março de 2024 10:35 por Da Redação A Secretaria de Estado de

PF indicia filho de Bolsonaro por falsidade ideológica e lavagem de dinheiro

17 de março de 2024 10:35 por Da Redação A Polícia Federal em Brasília

FAEC anuncia calendário anual de eventos esportivos para o público escolar

17 de março de 2024 10:35 por Da Redação A Federação Alagoana de Esportes

Bar do Doquinha: o lar enluarado da boemia

17 de março de 2024 10:35 por Da Redação Por Stanley de Carvalho* Há

Seduc anuncia processo seletivo para a Educação Especial

17 de março de 2024 10:35 por Da Redação A Secretaria de Estado da

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *