terça-feira 28 de maio de 2024

Caso Marielle: os detalhes dos encontros entre Ronnie Lessa e os irmãos Brazão

Executores e mandantes do assassinato de Marielle estiveram juntos em ao menos três ocasiões para tratar do crime. Confira
Montagem Ronnie Lessa e Marielle Franco. | Reprodução

Por Ana Gabriela Sales, do Jornal GGN

O ex-PM Ronnie Lessa, assassino confesso da vereadora  Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes, relatou à Polícia Federal (PF) ao menos três encontros com os irmãos Brazão para tratar do crime, executado em março de 2018.

Os irmãos Domingos Brazão e Chiquinho Brazão, além do ex-chefe da Polícia Civil do Rio de Janeiro, Rivaldo Barbosa, foram presos preventivamente, neste domingo (24), por ordem do ministro Alexandre de Moraes, relator do caso no Supremo Tribunal Federal (STF).

Detido desde março de 2019, Lessa confessou que foi o autor dos tiros que mataram a ex-vereadora carioca pelo Psol e seu motorista. Ele fechou acordo de delação premiada com a PF, homologado recentemente pela Suprema Corte.

Lessa detatou Domingos Brazão e Chiquinho Brazão como os mandantes e contratantes do crime, que tinha como motivação a atuação política de Marielle contra grilagem de terras em áreas de milícia, que seria chefiada pelos Brazão, na Zona Oeste do Rio. “Fato é que eles estavam focados no propósito de executar a vereadora“, diz relatório da PF.

Segundo a corporação, Rivaldo foi quem planejou “meticulosamente” a emboscada e atuou para obstruir as investigações do assassinato.

Em depoimento, Lessa assumiu que o intermediário do contato com os Brazão foi o ex-PM Edmilson de Oliveira, conhecido como Macalé, morto em 2021 em um caso que é investigado como “queima de arquivo“.

O delator deu detalhes de ao menos três encontros com os Brazão, confira:

1º encontro

O primeiro encontro entre Lessa, Macalé e os irmãos Brazão ocorreu no segundo semestre de 2017, nas imediações do hotel Transamérica, na Barra da Tijuca, próximo a residência dos dois políticos.

Nesta reunião, de acordo com a PF, os Brazão “passaram a limpo todo o contexto da demanda” e afirmaram que havia um miliciano atuando como infiltrado no PSOL, para colher informações sobre Marielle.

Este homem infiltrado havia, inclusive, relatado que a vereadora Marielle Franco estava orientando a população a não aderir a novos loteamentos nas áreas da milícia.

Segundo Lessa, Domingos era o mais “verborrágico” e fez uma única exigência: que o crime “não poderia se originar da Câmara dos Vereadores do Rio de Janeiro”, com objetivo afastar a conotação política do crime.

Conforme narrado por Lessa (…), Domingos ressaltou que tal exigência partiu do então Diretor da Divisão de Homicídios da PCERJ, o Delegado Rivaldo Barbosa, fato que, inicialmente, o tranquilizou ante a notória pactuação da garantia de impunidade da ação que lhe foi encomendada”, diz o relatório da PF.

Neste cenário, Lessa ainda afirmou que aceitou a proposta de matar a a vereadora “ao vislumbrar uma boa oportunidade de negócio e se desgarrar da imagem de ser um mero sicário [matador de aluguel]”. Como recompensa, ele ganharia lotes em um empreendimento imobiliário na Zona Oeste do Rio.

2º encontro

Já um segundo encontro entre os envolvidos no homicídio ocorreu no mesmo local, próximo ao Hotel Transamérica. Nesta reunião, Lessa teria exposto seu incômodo com a orientação de que ele não poderia cercar Marielle a partir da Câmara, o que “prejudicava” a execução do crime.

Na ocasião, Lessa foi orientado de que não poderia passar por cima das ordens do delegado Rivaldo Barbosa.

3º encontro

Já um terceiro encontro ocorreu em abril de 2018, um mês depois do crime. A reunião teria sido convocada pelos Brazão, que  tranquilizou os criminosos, já que o então chefe da Polícia Civil, Rivaldo Barbosa, “estava atuando para defletir a investigação do crime“.

O ex-PM tinha o costume de se livrar das armas após o cometimento dos crimes e Macalé “tentou demover Domingos da ideia”, mas “Domingos ressaltou que a arma deveria ser recolocada no lugar, sem especificar qual“, diz o relatório da PF.

Com isso, três dias depois da reunião, Lessa e Macalé entregaram a arma a dois milicianos de Rio das Pedras, na Zona Oeste do Rio, que jogaram as munições em um córrego no local.

Mais lidas

Marielle: a quem se destina a terra?

Por Eliane Brum, do portal Sumauma “Quem possui a terra possui o homem.” Essa

CPI da Braskem tem 35 dias para concluir investigação, que inclui visita aos bairros destruídos

Com o objetivo de investigar a responsabilidade jurídica e socioambiental da mineradora Braskem no

Sem declarar IR cidadão não pode sequer receber prêmio de loteria que, acumulada, hoje sorteia

O prazo para entrega da Declaração do Imposto de Renda Pessoa Física (DIRPF) em

Risco de morte após a febre chikungunya continua por até 84 dias, diz Fiocruz

Em meio à epidemia de dengue e ao aumento de casos por febre chikungunya, um

Saúde volta a alertar alagoanos sobre medidas de prevenção contra a dengue

A Secretaria de Estado de Alagoas (Sesau) volta a alertar a população alagoana sobre

PF indicia filho de Bolsonaro por falsidade ideológica e lavagem de dinheiro

A Polícia Federal em Brasília indiciou Jair Renan Bolsonaro, filho do ex-presidente Bolsonaro, pelos

FAEC anuncia calendário anual de eventos esportivos para o público escolar

A Federação Alagoana de Esportes Colegiais (FAEC) anunciou o calendário anual de eventos para

Bar do Doquinha: o lar enluarado da boemia

Por Stanley de Carvalho* Há 60 anos, quando os portões de Brasília começaram a

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *