quinta-feira 23 de maio de 2024

Israel provocou Irã para envolver EUA e ampliar conflito, mas fracassou, dizem analistas

Meta de Tel Aviv seria reduzir isolamento internacional gerado pelo massacre em Gaza e salvar governo Netanyahu
Irã respondeu bombardeio de consulado em Damasco, na Síria – Rede Social Imam Khamenei/Fotos Públicas

Por Rodrigo Durão, do Brasil de Fato

A onda de solidariedade internacional para com Israel gerada pelo ataque do Hamas dentro de seu território, em outubro, durou pouco. O massacre diário de civis palestinos na Faixa de Gaza, a maioria de mulheres e crianças – que prossegue apesar de condenações globais – tornam o país cada vez mais isolado.

É nesse contexto que ampliar o conflito com o envolvimento de Estados Unidos e Irã poderia ser a forma de o governo de Benjamin Netanyahu reconquistar empatia internacional e apoio interno, segundo analistas ouvidos pelo Brasil de Fato. Eles apontam que o ataque israelense ao consulado iraniano na Síria, no dia primeiro de abril – que resultou em diversas mortes, incluindo a de um importante comandante militar do Irã – foi ato pensado para causar a reação do último domingo.

“O bombardeio do consulado foi claramente uma provocação, Israel quer há muito tempo ampliar o conflito por vários razões”, disse Mohammed Nadir, coordenador do Laboratório de Estudos Árabes da Universidade Federal do ABC (UFABC). “Esse ataque ocorreu após vários outros ataques contra alvos iranianos na Síria, justamente para trazer o Irã para o confronto.”

Nadir acredita que provocar o Irã para uma disputa militar direta é desejo do governo israelense, que elegeu Teerã como seu “inimigo número 1”. “Israel acusa o Irã de ter instigado o Hamas para causar os ataques de sete de outubro, se ressente da influência iraniana cada vez maior junto a grupos armados como os Houthis no Iêmen e o Hezbollah no Líbano, mas acima de tudo, com a possibilidade de Teerã conseguir a  bomba atômica.”

E por que neste momento? O analista Giorgio Romano, do Observatório de Política Externa da Universidade Federal do ABC diz que a ideia é apelar para a solidariedade de seus aliados tradicionais para reduzir o atual isolamento israelense.

“Netanyahu exagerou junto a seus aliados, EUA e Reino Unido, dizendo que ‘a sobrevivência de Israel está em jogo’, que esta teria sido ‘a primeira vez que foi atacado’, para exigir apoio incondicional,  cessar com as críticas sobre a atuação do país [em Gaza]e se unirem em torno de sua defesa”, explica Giorgio Romano,

O pesquisar do instituto Front Anderson Barreto Moreira concorda com a análise, afirmando que o ataque israelense em Damasco tinha o objetivo de “envolver os Estados Unidos numa guerra de alto potencial e salvar não apenas o governo [de Netanyahu], mas tirar o Estado de Israel do isolamento em que se encontra”.

Netanyahu vem enfrentando inúmeros problemas internos. Mesmo antes dos ataques do Hamas, ele corria o risco de ser deposto da liderança do Knesset – o Parlamento de Israel – pela oposição, por tentar mudar a constituição e emplacar leis que reduziam os poderes dos legisladores. Recentemente, o premiê vem sendo alvo de protestos que pedem sua saída por não conseguir libertar os reféns feitos pelo Hamas.

Slide 1
Slide 2

Razões do fracasso

No entanto, os analistas ouvidos pelo Brasil de Fato concordam que a estratégia israelense não funcionou.

“Primeiro porque os Estados Unidos não têm a mínima condição de abrir um front desse porte, dada a humilhação e fracasso na Ucrânia e sem uma solução para sair daquele atoleiro, estão deixando para os europeus. As eleições estão em risco, a política externa um caos”, afirma Moreira.

“O fato de, domingo mesmo, Biden ter afirmado que não embarcará em nenhuma resposta israelense contra o Irã já é uma mudança de postura. ‘Israel pode considerar o dia de hoje como uma vitória’ essa foi a frase de Biden.”

Para Mohammed Nadir, “os EUA não querem nesse momento, depois do fracasso no Afeganistão e Iraque, se envolver em outra aventura militar; um ataque apenas não resolveria, teria que mandar soldados no terreno e não há clima para isso.”

“A estratégia estadunidense hoje visa a China, não o Oriente Médio. Além disso, a Rússia, aliada do Irã, não permitiria uma guerra no Oriente Médio”, pondera. “Imaginemos que os EUA estivessem dispostos a embarcar em uma guerra nos moldes do que ocorreu no Iraque – coisa que não estão. Para Moscou, a aliança com Teerã permite uma presença estratégica no Golfo, um privilégio geopolítico. É por isso que a Rússia não permitiria uma mudança de regime no Irã que a enfraquecesse como país.”

Já Romano destaca ainda a “inteligência da resposta iraniana” ao ataque contra o consulado em Damasco.

“Netanyahu jogou uma casca de banana para o Irã, que não podia escolher não fazer nada perante sua população interna e grupos sobre os quais têm influência, como Hezbollah e Hamas. Teerã mostrou capacidade de fogo ao atingir uma base militar no sul de Israel com míssil, indicando o que poderia acontecer em um eventual ataque surpresa – o que não foi o caso”, explica.

“O ataque foi anunciado com bastante antecedência, para que Israel pudesse se preparar. Os Estados Unidos, reconhecendo a moderação na resposta do Irã, fizeram questão de imediatamente fechar a questão em torno do G7, com uma posição clara para que Israel não retaliasse.”

“Claro que lidamos com a irracionalidade de Netanyahu, mas um indicativo claro de que não haverá escalada é que os preços do petróleo hoje (segunda-feira) caíram, após uma alta gerada pela incerteza do que poderia acontecer.” .

‘Netanyahu é o grande derrotado’

Moreira diz que “o governo Netanyahu é o grande derrotado até agora. Se não responder à retaliação corre o risco de ser retirado do poder pelos setores linha dura que já avisaram que não aceitam uma não resposta. Se responder sem o apoio dos Estados Unidos corre o risco de sofrer um ataque ainda maior, reafirmado mais de uma vez pelo governo iraniano.”

“Para um governo que está vendo milhares nas ruas, tendo o Parlamento invadindo pedindo a sua renúncia, condenado mundialmente pelo genocídio em andamento na Palestina, parece que qualquer resposta não terá efeito algum.”

Por outro lado, a resposta iraniana – embora tenha causado poucos danos concretos a Israel – teve o mérito de ter sido o primeiro ataque direto já realizado pelo país contra o território israelense, o que reforça o status do Irã como potencia regional, segundo os analistas.

“O Irã sai como o novo poder da região. Demonstrou que tem capacidade de confronto e mostrou as vulnerabilidades do maior rival. Ainda por cima articulou uma vasta rede de apoio: Houthis no Iemên, Hezbollah no Líbano, Síria e Iraque com espaços aéreos abertos para a passagem dos drones e mísseis”, afirma Moreira.

“Apesar de Israel recorrer à ONU, sua imagem e posição já estão tão destruídas que não houve comoção mundial alguma. Com exceção de Estados Unidos e seus aliados na Europa, o mundo não saiu em defesa e nem condenando os ataques. É a ordem multipolar sendo construída sobre os escombros da antiga”, conclui.

Mais lidas

CPI da Braskem tem 35 dias para concluir investigação, que inclui visita aos bairros destruídos

Com o objetivo de investigar a responsabilidade jurídica e socioambiental da mineradora Braskem no

Sem declarar IR cidadão não pode sequer receber prêmio de loteria que, acumulada, hoje sorteia

O prazo para entrega da Declaração do Imposto de Renda Pessoa Física (DIRPF) em

Risco de morte após a febre chikungunya continua por até 84 dias, diz Fiocruz

Em meio à epidemia de dengue e ao aumento de casos por febre chikungunya, um

Saúde volta a alertar alagoanos sobre medidas de prevenção contra a dengue

A Secretaria de Estado de Alagoas (Sesau) volta a alertar a população alagoana sobre

PF indicia filho de Bolsonaro por falsidade ideológica e lavagem de dinheiro

A Polícia Federal em Brasília indiciou Jair Renan Bolsonaro, filho do ex-presidente Bolsonaro, pelos

FAEC anuncia calendário anual de eventos esportivos para o público escolar

A Federação Alagoana de Esportes Colegiais (FAEC) anunciou o calendário anual de eventos para

Bar do Doquinha: o lar enluarado da boemia

Por Stanley de Carvalho* Há 60 anos, quando os portões de Brasília começaram a

Seduc anuncia processo seletivo para a Educação Especial

A Secretaria de Estado da Educação (Seduc) divulgou no último dia 6, no Suplemento

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *