segunda-feira 15 de julho de 2024

Lula deve sair fortalecido após tragédia no Rio Grande do Sul

Lula é a liderança de um Brasil que precisa superar a extrema-direita que, como se sabe, não acontecerá através de decreto, mas, nas urnas e, para os criminosos, na Justiça

16 de maio de 2024 11:03 por Da Redação

Lula sobrevoa a região metropolitana de Porto Alegre depois das chuvas | Ricardo Stuckert

Desde sua posse, há 17 meses, o presidente Lula (PT) enfrentou duas graves crises. A primeira, a tentativa fracassada de golpe de Estado, organizada pela extrema-direita ao redor do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL). A reação imediata do presidente e dos poderes da República isolou os golpistas civis e militares, mas, por pouco, não houve a derrocada da democracia brasileira.

A segunda delas consiste nas enchentes no estado do Rio Grande do Sul, que devastou cidades, desabrigou milhares de famílias, de maneira nunca presenciada no país. Os efeitos climáticos têm sido previstos pelos pesquisadores há, pelo menos, duas décadas.

No Rio Grande do Sul, assim como em Santa Catarina e Paraná, os governadores, a maioria dos prefeitos, as bancadas parlamentares e o empresariado, sob a liderança do agronegócio, constituem o núcleo explícito do negacionismo climático.

Esse núcleo tem se tornado hegemônico na política na região Sul, fortalecendo a base da extrema-direita nacional. Essa configuração político-ideológica tem relevância na sociedade e é, simbolicamente, o estado-maior extremista em permanente prontidão e beligerante contra o governo Lula e a esquerda.

O ponto de inflexão da extrema-direita foi a presença do presidente Lula no Rio Grande do Sul e a rápida ação do governo federal prestando solidariedade e procurando unir todos os entes da federação para salvar vidas e, sem perda de tempo, procurar destravar as amarras burocráticas envolvendo os Poderes da República.

A guerra suja nas redes (anti) sociais de extrema-direita ganhou dimensão, mas, segundo os especialistas, a realidade dos fatos tem alterado as posições em favor do Governo Federal.

As frentes de batalhas do Governo Federal são gigantescas, para organizar as ações para que a assistência ocorra sem descontinuidade, para manter dialogo permanente com os prefeitos e com a sociedade, para estruturar as ações diante do cenário de destruição em que ainda não podem ser contabilizados, integralmente, os prejuízos materiais.

O combate às ações criminosas dos grupos de extrema-direita estão no mesmo nível de importância das demais ações do governo. O grau de hierarquia na guerra contra o extremismo sobe à medida em que se consolidam na sociedade as ações humanitárias de salvamento e acolhimento da população e reconstrução da infraestrutura urbana e de transporte do Rio Grande do Sul.

Lula é a liderança de um Brasil que precisa superar a extrema-direita que, como se sabe, não acontecerá através de decreto, mas, nas urnas e, para os criminosos, na Justiça.

Não há vida fácil para o Governo Federal, mas, o espírito humanitário do presidente Lula é um ponto de unidade que crescerá na sociedade brasileira. Isso não significa dizer ou fechar os olhos para as disputas políticas e ideológicas, mas, manter a esperança de que será inaugurada uma nova perspectiva para o Brasil.

Mais lidas

Além da pressão dos aliados, JHC tem agora que enfrentar ação no MP por R$

16 de maio de 2024 11:03 por Da Redação Na busca para reeleger-se, o

Alagoas conta com Núcleos de Apoio ao Fumante em 13 municípios

16 de maio de 2024 11:03 por Da Redação Com o objetivo de ajudar

STF volta a julgar recurso de Collor para anular condenação por corrupção na Lava-Jato

16 de maio de 2024 11:03 por Da Redação O Supremo Tribunal Federal (STF)

Marielle: a quem se destina a terra?

16 de maio de 2024 11:03 por Da Redação Por Eliane Brum, do portal

CPI da Braskem tem 35 dias para concluir investigação, que inclui visita aos bairros destruídos

16 de maio de 2024 11:03 por Da Redação Com o objetivo de investigar

Sem declarar IR cidadão não pode sequer receber prêmio de loteria que, acumulada, hoje sorteia

16 de maio de 2024 11:03 por Da Redação O prazo para entrega da

Risco de morte após a febre chikungunya continua por até 84 dias, diz Fiocruz

16 de maio de 2024 11:03 por Da Redação Em meio à epidemia de dengue

Saúde volta a alertar alagoanos sobre medidas de prevenção contra a dengue

16 de maio de 2024 11:03 por Da Redação A Secretaria de Estado de

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *