segunda-feira 15 de julho de 2024

Lideranças afirmam que MVV trouxe informações falsas durante sessão na Câmara de Arapiraca

Audiência pública discutiu impactos da mineração nos municípios da região Agreste

21 de maio de 2024 3:27 por Redação

Foto: Ascom da Câmara de Araoiraca

Moradores do município de Craíbas, no Agreste de Alagoas, acusam a Mineração Vale Verde (MVV) de ter “mentido descaradamente durante três horas” na audiência pública realizada na semana passada na Câmara Municipal de Arapiraca. Convocada pelo presidente da Casa Legislativa, Sérgio do Sindicato, a sessão teve como objetivo discutir as operações da mineradora, cujos reflexos também são sentidos em outras cidades da região.

Participaram da audiência diretores da MVV, representantes do Ministério Público Estadual (MPAL), Defesa Civil e da comunidade. Uma das mentiras contadas pela empresa, segundo o líder comunitário e morador do entorno da Vale Verde, Tancredo Barbosa, é que as explosões para a extração de minério ocorrem a, no mínimo, 1.263 metros da casa mais próxima.

“A minha casa é próxima da área de alimentação da mineradora. São, aproximadamente, uns 200 a 300 metros. Tudo o que vocês escutaram aqui [na audiência], da mineradora, condiz com o que as pessoas estão falando”, explicou a liderança, que enviou este vídeo ao 082 Notícias para comprovar a denúncia:

Durante a sessão na Câmara de Arapiraca, Tancredo apresentou relatórios do Sistema Brasileiro de Geologia, em que destaca três pontos fundamentais.

O primeiro ponto fundamental foi que as rachaduras nos imóveis existem. “E quando se fala em rachaduras nas casas, as rachaduras que nós temos são acima de 3 milímetros, tá?”, disse ele, ao explicar que este valor já compromete a estrutura das residências.

Algumas delas, já se tornaram inabitáveis. “Tem casas que não servem mais para nada, elas não têm mais reparo e têm que ser, obrigatoriamente, demolidas. Nós temos inúmeros relatos de moradores que estão abandonando as suas casas de lá do entorno [da mineradora], principalmente, dos sítios lá de Craíbas, que é o sítio Torrões, onde eu moro”, revelou.

Em seu relato, Tancredo Barbosa diz que outros moradores, simplesmente, não deixam as casas porque se sentem, completamente, abandonados. “E foi por ação nossa, de moradores, que hoje existe um processo federal, que nós conseguimos, através do doutor Diego Alves, da Defensoria Pública da União, que tomou para si a propriedade das pessoas para que possamos ver o que é que de fato está acontecendo”.

Divulgação

Barulho e gases tóxicos afetam saúde da população

Além das rachaduras, Barbosa lembrou de outros problemas causados pela mineração, como o barulho, que é 24 horas, e a poeira com gases tóxicos. “A nossa comunidade, nem posto de saúde tem. As minhas duas filhas estudam na escola, uma pela manhã e uma pela tarde. A grande maioria dos dias sempre tem criança faltando, porque todos os dias tem criança que está com gripe. A orientação da escola é que não levem as crianças para a escola”.

Ele denunciou a existência de uma especulação imobiliária “predatória” na região. “Por que uma especulação imobiliária predatória? Porque, me diga, me diga, quem é que vai querer comprar uma terra ali próximo da mineradora? E vocês acham, como é que estão os valores das casas? E as pessoas querem isso aí. As pessoas abandonam as casas e não tem quem compre”, disse.

Poluição chega ao São Francisco

Além dos vídeos das explosões perto das casas, ele mostrou aos vereadores imagens da língua de água suja passando a céu aberto. “Acabei de protocolar uma solicitação para que haja um monitoramento da água do Riacho Salgado. Porque a gente precisa fazer esse monitoramento dessa água para que seja analisado”.

“Eu estou aqui conversando com o professor Emerson Soares, da Ufal, que foi que fez o primeiro estudo do rio Traipu. Esse estudo mostra um índice altíssimo de materiais pesados na região do rio Traipu. Isso foi no final de 2022. A sangria eles chamam de vértice, eles utilizam outra palavra, é o vértice, mas é a sangria da barragem da mineradora que está saindo para o Riacho Salgado que vai para o rio Traipu, que vai para o rio São Francisco”, acrescentou, ao convidar as autoridades para darem uma passada na mineradora e também na comunidade.

Mais lidas

Além da pressão dos aliados, JHC tem agora que enfrentar ação no MP por R$

21 de maio de 2024 3:27 por Redação Na busca para reeleger-se, o prefeito

Alagoas conta com Núcleos de Apoio ao Fumante em 13 municípios

21 de maio de 2024 3:27 por Redação Com o objetivo de ajudar tabagistas

STF volta a julgar recurso de Collor para anular condenação por corrupção na Lava-Jato

21 de maio de 2024 3:27 por Redação O Supremo Tribunal Federal (STF) voltou

Marielle: a quem se destina a terra?

21 de maio de 2024 3:27 por Redação Por Eliane Brum, do portal Sumauma

CPI da Braskem tem 35 dias para concluir investigação, que inclui visita aos bairros destruídos

21 de maio de 2024 3:27 por Redação Com o objetivo de investigar a

Sem declarar IR cidadão não pode sequer receber prêmio de loteria que, acumulada, hoje sorteia

21 de maio de 2024 3:27 por Redação O prazo para entrega da Declaração

Risco de morte após a febre chikungunya continua por até 84 dias, diz Fiocruz

21 de maio de 2024 3:27 por Redação Em meio à epidemia de dengue e

Saúde volta a alertar alagoanos sobre medidas de prevenção contra a dengue

21 de maio de 2024 3:27 por Redação A Secretaria de Estado de Alagoas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *