sábado 20 de abril de 2024

“FATOR M”: Programa paulista busca dar voz às mulheres

12 de janeiro de 2024 5:50 por Vanderlei Tenório

Em um cenário dinâmico de transmissões ao vivo em constante expansão, surge uma iniciativa que não passa despercebida pelo público atento. Trata-se do programa “FATOR M Mulheres Falando”, concebido pelo projeto Elas Por Elas de Itapira.

Sob a condução da professora, mestre em Educação e ativista do movimento negro em Itapira, Hellen Santos, o programa surge com a proposta clara de promover a força feminina. Mais do que isso, representa um significativo movimento que almeja impulsionar a inclusão, a equidade e o protagonismo das mulheres.

Nesse sentido, o programa visa conceder um espaço generoso e ampliar a visibilidade para o crescimento de todas as mulheres participantes. Além disso, um dos objetivos fundamentais é sensibilizar a população para a perspectiva feminina, oferecendo uma visão única dos desafios enfrentados não apenas na cidade, mas também no estado e no país.

O espaço será dedicado para que as mulheres compartilhem suas dificuldades, relatem experiências marcantes e abordem, de maneira especial, sua vivência em uma sociedade impregnada pelo machismo. O programa busca, assim, não apenas promover a força feminina, mas também proporcionar um ambiente de diálogo que destaque as complexidades e desafios enfrentados pelas mulheres em diferentes contextos sociais.

“Acreditamos que é importante dar voz às mulheres, para que possam compartilhar suas experiências e perspectivas sobre os problemas da cidade e da sociedade. A mulher tem uma sensibilidade única, e queremos que sua visão seja levada em consideração”, afirmou Hellen Santos, apresentadora do programa.

Santos nutre a esperança de que o programa se torne um catalisador de inspiração tanto para as participantes quanto para a audiência. Ela espera que seja um lugar não apenas de transmissão, mas de interação e questionamentos, propiciando uma valiosa troca que fortaleça a todos.

“Queremos despertar as mulheres da cidade, inclusive porque somos a maioria. A cidade é conhecida por ter o maior número de mulheres da região, e queremos mostrar a força da mulher itapirense em vários âmbitos, inclusive no trabalho. Queremos mostrar que a mulher não precisa estar apenas em trabalhos que são tradicionalmente associados ao gênero feminino, mas que pode ocupar qualquer posição que desejar”, finaliza Santos.

Anota aí: o programa será lançado em 18 de janeiro, às 19h, no perfil do Instagram do Elas Por Elas (@elas_por_elas_itapira). As transmissões acontecerão todas as quintas-feiras, e você poderá acompanhar também pelo Facebook. Além disso, a versão gravada estará disponível posteriormente no Youtube.

Nova edição do programa Rodovida visa realizar ações de fiscalização e atividades educativas

20 de dezembro de 2023 2:26 por Vanderlei Tenório

No início deste mês, foi lançada a mais recente edição do programa Rodovida, que visa realizar 608 ações de fiscalização e atividades educativas com o objetivo de contribuir para a redução de mortes e lesões no trânsito.

Neste cenário, o programa tem como objetivo fomentar uma integração mais efetiva entre os diferentes órgãos e entidades que fazem parte do Sistema Nacional de Trânsito. Esses colaboram conjuntamente para a implementação de medidas destinadas a promover a segurança viária desde dezembro de 2023 até o domingo após o Carnaval, em fevereiro de 2024.

Composto por um conjunto de ações planejadas, coordenadas e integradas por instituições de trânsito, incluindo a Polícia Rodoviária Federal (PRF), o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT), a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), bem como órgãos estaduais e municipais de trânsito, o programa está em conformidade com as orientações estabelecidas pelo Plano Nacional de Redução de Mortes e Lesões no Trânsito (Pnatrans).

A participação federativa é crucial para avançar na disseminação da mensagem sobre a importância da educação, do cuidado e da promoção de uma consciência de trânsito que evite acidentes.

Dentre as ações e temas abordados pela fiscalização e atividades educativas na edição 2023/2024 do Rodovida, destacam-se:

– Excesso de velocidade;

– Ultrapassagens proibidas;

– Uso de álcool;

– Descumprimento do tempo de direção dos motoristas profissionais;

– Transporte ilegal de passageiros;

– Não uso do cinto de segurança;

– Transporte inadequado de crianças em veículos automotores;

– Utilização do celular pelos condutores;

– Não uso de equipamento de proteção por motociclistas, como capacete adequado;

– Falta de cuidado com os mais vulneráveis no trânsito (pedestres, ciclistas e motociclistas);

– Uso incorreto da cadeirinha para crianças;

– Condução insegura, especialmente por motofretistas e ciclofretistas.

Além disso, os integrantes do Sistema Nacional de Trânsito que participam do programa são obrigados a registrar os resultados de suas ações em relatórios mensais, os quais serão divulgados nos sites eletrônicos pertinentes. A Senatran assume a responsabilidade de receber as informações contidas nesses relatórios.

 

Condições das rodovias brasileiras é destaque na 26ª edição da Pesquisa de Rodovias da CNT

9 de dezembro de 2023 2:43 por Vanderlei Tenório

No término do último mês, a Confederação Nacional de Transportes (CNT) divulgou os resultados de uma pesquisa que examinou 11.502 quilômetros da rede viária do Brasil, enfatizando tanto as regiões com condições críticas quanto aquelas com desempenho satisfatório.

A 26ª edição da Pesquisa de Rodovias (disponível aqui) avaliou o estado atual da infraestrutura rodoviária no país, levando em consideração critérios como pavimentação, sinalização, visibilidade, acostamento, pontes, entre outros.

Confira alguns pontos do levantamento:

Em 2023, 56,8% do pavimento, 63,4% da sinalização e 66% da geometria dessas vias foram classificados como regulares, ruins ou péssimos. Esses valores se aproximam dos registrados no ano anterior: 55,5%, 60,7% e 63,9%, respectivamente.

O transporte rodoviário, responsável por movimentar 65% das cargas e 95% dos passageiros no país, enfrentou um aumento de 32,7% nos custos operacionais em 2023 devido à má conservação das rodovias.

A pesquisa evidencia que a qualidade insatisfatória da pavimentação rodoviária impacta diretamente nos custos do frete, influenciando, consequentemente, nos preços dos produtos para o consumidor final. A estimativa da CNT é que, neste ano, 1,139 bilhão de litros de diesel serão consumidos desnecessariamente pelo transporte rodoviário nacional, resultando na emissão de 3,01 milhões de toneladas de gases poluentes na atmosfera.

O estudo destaca que as rodovias públicas, que representam 76,6% da extensão pesquisada em 2023, apresentam percentuais mais elevados de avaliações negativas (77,1%). Por outro lado, entre as rodovias concessionadas, que compõem 23,4% da extensão pesquisada, 64,1% da malha foram classificados como boas ou ótimas.

Os principais problemas identificados nas rodovias brasileiras, conforme apontados pela CNT, incluem quedas de barreiras, erosões nas pistas, grandes buracos, pontes danificadas e pontes estreitas.

Os resultados da pesquisa reforçam a urgência de manter investimentos contínuos na reconstrução, restauração e manutenção da malha rodoviária brasileira. A má qualidade das rodovias impacta negativamente a economia do país, aumentando os custos de produção e transporte, e também representa um risco para a segurança dos usuários.

Dia Mundial em Memória das Vítimas de Acidentes de Trânsito: Um momento de conscientização

21 de novembro de 2023 5:46 por Vanderlei Tenório

No dia 20 de novembro, o mundo se unirá para celebrar o Dia Mundial em Memória das Vítimas de Acidentes de Trânsito, uma iniciativa instituída em 1993 pela RoadPeace, uma organização social sediada no Reino Unido. O objetivo primordial da data é homenagear as vítimas de acidentes viários, contando com o respaldo inicial da Federação Europeia e diversas organizações parceiras que passaram a promover diversas ações de conscientização global.

O Brasil figura como o terceiro país com maior número de mortes no trânsito em escala global. A média anual de fatalidades nos últimos anos alcança a alarmante marca de 6,3 mil pessoas, acompanhada por mais de 65 mil acidentes nas rodovias. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), o Brasil ocupa o terceiro lugar mundial em mortes no trânsito, ficando atrás apenas da Índia e da China no ano de 2018.

A Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) destaca que mais de 3,5 mil pessoas perdem a vida diariamente nas vias, resultando em cerca de 1,3 milhão de mortes evitáveis anualmente e aproximadamente 50 milhões de pessoas lesionadas. Os acidentes de trânsito assumem, assim, a 12ª posição no ranking global de causas de morte, tornando-se a principal causa de óbito entre crianças e jovens com idades entre 5 e 29 anos. No Brasil, as mortes no trânsito ocupam a oitava posição entre as principais causas de óbito.

Um dado preocupante revelado por pesquisa da Associação Brasileira de Medicina do Tráfego (ABRAMET) aponta que cerca de 60% dos acidentes registrados nas rodovias brasileiras no último ano foram provocados por fadiga e sonolência excessiva.

Além disso, estudos indicam que a saúde física e mental dos caminhoneiros pode estar diretamente ligada à ocorrência de acidentes envolvendo esses veículos. A ABRAMET analisou aproximadamente 250 mil acidentes, resultando em 208.716 feridos e 12.449 mortos.

Contudo, com base nos registros da PRF, especialistas agruparam os acidentes em categorias principais, identificando a falta de atenção na condução, o consumo de álcool, a ingestão de substâncias psicoativas, a fadiga, a restrição à visibilidade e eventos de mal súbito como os fatores mais recorrentes.

Esses dados ressaltam a urgência de medidas efetivas para enfrentar o crescente desafio global dos acidentes viários.

Motoristas profissionais têm até dezembro para regularizar exame toxicológico

9 de novembro de 2023 2:21 por Vanderlei Tenório

No mês passado, o Contran (Conselho Nacional de Trânsito) referendou, sem alterações no texto, a Deliberação 268/2023, que estabelece o prazo para a realização do exame toxicológico por motoristas profissionais.

Com essa decisão, a deliberação adquiriu status de resolução, determinando que condutores com Carteiras Nacionais de Habilitação (CNH) das categorias C, D e E, que ultrapassaram o prazo de 30 meses (dois anos e meio) para a realização do exame toxicológico, têm até 28 de dezembro de 2023 para regularizar sua situação.

Diante dessa resolução, nosso informativo desta semana aborda algumas dúvidas relacionadas a esse tema.

O exame toxicológico de larga janela de detecção é um procedimento que avalia o consumo de substâncias psicoativas, como álcool, maconha, cocaína e crack, ao longo de pelo menos 90 dias. Essa análise é obrigatória para motoristas das categorias C, D e E, que operam veículos de transporte coletivo, como ônibus e caminhões.

A realização do exame toxicológico é exigida tanto no momento da obtenção quanto na renovação da CNH, além de ser necessária a cada 2 anos e meio. Os motoristas podem verificar o status de seu exame por meio do aplicativo Carteira Digital de Trânsito (CDT).

A Senatran, órgão responsável pelo trânsito no Brasil, utiliza notificações eletrônicas para alertar, com 30 dias de antecedência, sobre o vencimento do prazo para a realização do exame. A não realização do exame no prazo estabelecido sujeita os motoristas a penalidades, incluindo multa, suspensão da CNH e proibição de dirigir.

A coleta de pequenas amostras de cabelo ou pelos é o método utilizado para o exame toxicológico, que é posteriormente encaminhado a laboratórios devidamente credenciados pelo Departamento Nacional de Trânsito (DENATRAN) para análise. Este procedimento visa identificar se houve ou não o consumo de substâncias psicoativas (drogas) em um intervalo de 90 a 180 dias.

De acordo com o Código de Trânsito Brasileiro (CTB), caso o condutor não realize o exame até o término do período determinado pela resolução, estará sujeito a uma multa de R$ 1.467,35 e à atribuição de sete pontos na CNH.

Essas penalidades entraram em vigor após o Congresso Nacional, no início do mês, derrubar três vetos do presidente Luiz Inácio Lula da Silva à Lei 14.599, de 2023, que trata do exame toxicológico para motoristas, reinstaurando, assim, a multa por falta do exame.

A mídia como ferramenta de guerra

Muitas vezes, nossas opiniões nos foram habilmente sugeridas pela manipulação da mídia sem que tivéssemos plena consciência disso. A mídia usa métodos sutis para implantar crenças em nós, enquanto nos faz acreditar que elas nos pertencem, que nós as escolhemos. Nesse viés, as motivações para a manipulação da mídia podem ser diferentes, mas, na maioria das vezes, visam à criação de cidadãos submissos. Aqueles que ignoram informações importantes e não conhecem seus direitos geralmente não criam problemas para a estabilidade do sistema político e econômico.

A disseminação de notícias falsas ou a ênfase em casos limítrofes serve para criar divisões. O amplo espaço dado às opiniões infundadas ou lógicas difundidas pelas grandes agências de notícias servem justamente para isso.

Nessa perspectiva, o primeiro meio usado para direcionar a opinião pública em um sentido ou outro é o alarmismo. Em consideração a isso, palavras como alarme, guerra, genocídio, ataque, terrorismo, emergência e perigo são usadas com muita frequência pela mídia homogênea mundial. Tais palavras servem para fazer as pessoas se sentirem inseguras e gerar um medo sutil constante nelas.

Outro método eficaz é focar a atenção em notícias que geram uma forte resposta emocional. As questões que poderiam desencadear uma reação das massas contra o establishment ficam em segundo plano para estimular debates inúteis sobre fatos que, infelizmente, não podem mais ser alterados.

Nesse cenário, a concepção da (falsa) superinformação é outra técnica de manipulação midiática. Hoje, falamos até a exaustão sobre um assunto para dar ao ouvinte a impressão de que ele sabe o suficiente, muito, demais. Porém, na realidade, as mesmas coisas são repetidas várias vezes e nada é explicado. Isso é para evitar que o cidadão tenha o desejo de se aprofundar, buscando informações em outros lugares e, portanto, construindo um pensamento autônomo sobre ela.

Outro artifício estruturante é o de extrapolar uma notícia do contexto, o que é útil para direcionar a opinião pública. Tal artifício é presente na construção narrativa das guerras. Quando isso acontece, observe que, geralmente apenas o número de vítimas e os locais são divulgados. Neste cenário, a situação política, social e econômica desses países nunca é explicada, muito menos os reais motivos que levaram à violência. Infelizmente, atualmente, estamos observando isso presente em todos os noticiários nacionais e internacionais através da Guerra da Ucrânia e agora do Conflito em Israel.

Sejamos sinceros, para manipular o que pensamos, basta uma escolha cuidadosa de imagens, palavras ou tom. Desta forma, podemos automaticamente despertar aprovação ou dissidência para o assunto em questão.

Falando em conflito em Israel, percebo uma distorção no que se refere à produção de informações equivocadas. Não sei quanto a você, mas sinto certo desconforto ao examinar a forma como as notícias relacionadas ao conflito são divulgadas, especialmente nos últimos dias. Embora haja uma pretensa “neutralidade”, a questão palestina e o suposto heroísmo israelita ainda mantêm uma presença dominante. Paira no ar a omissão de fatos relevantes, entrevistas desequilibradas e informações incorretas, manipuladas e incompletas. Tudo isso parece enraizado em uma simplificação maniqueísta.

Nesse ponto, causa-me indignação o modo como os confrontos no Oriente Médio são abordados pela grande imprensa ocidental. É imperativo situarmos a atual situação política no contexto histórico, desde a Nakba em 1948 até a ocupação da Cisjordânia, o confisco de terras, a imposição da colonização ao povo palestino e a desconsideração e humilhação dos habitantes árabes de Jerusalém e da Cisjordânia. Não estou aqui para defender o Hamas, muito pelo contrário. No entanto, afirmar que a atual escalada é exclusivamente responsabilidade do Hamas é uma análise simplista. É crucial reconhecer que devemos cessar a prática de absolver o Estado de Israel de suas responsabilidades neste conflito.

Por esse ângulo, em relação a notícias, até mesmo o espaço dado as coberturas internacionais, em especial as de guerra, nos telejornais – principalmente os de horário nobre – faz parte da manipulação da mídia, pois confunde as pessoas no conceito de informação. Infelizmente, a velha dicotomia do bem e do mal, do herói e do vilão, ainda vende muito.

Não é por acaso que nunca ouvimos falar de certos assuntos muito mais importantes nos noticiários televisivos e nos jornais impressos, como a senhoriagem bancária, a produção e exportação de armas, e as atividades do Fundo Monetário Internacional (FMI). Logo, graças à manipulação da mídia, as pessoas não sabem que não sabem. Assistindo TV, lendo jornais ou obtendo informações nas redes sociais, a maioria de nós está convencida de que sabemos e, acima de tudo, que estamos definitivamente do lado certo.

Além de que, os meios de comunicação de massa (rádio-TV-Web) tornaram-se decisivos na criação do senso comum. Para tanto, a eficácia da manipulação midiática não depende de símbolos ou metáforas como tais, mas de sua capacidade de criar um contexto emocional favorável à aceitação de mensagens comerciais e principalmente políticas (essas diretas e indiretas).

Nesse sentido, a opinião pública é presa na teia da propaganda política, recebendo apenas estereótipos, ou seja, representações simplistas da realidade. Sob essa lógica, as redes sociais se tornaram um terreno fértil para a opinião pública. Desde a compra do extinto Twitter pelo Elon Musk, passando pela Guerra na Ucrânia, as redes sociais são amplamente empregadas na manipulação de opiniões, o que molda a mídia e como ela irá manipular os receptores (nós).

Detalhando melhor esse ponto para análise, as eleições de 2022 no Brasil foram marcadas por uma intensa manipulação da opinião pública. A partir da metodologia do matemático francês David Chavalarias, do Centro de Análise de Matemática Social (CAMS), da Escola de Estudos Avançados em Ciências Sociais da França (EHESS) os três principais tipos de manipulação observados foram:

  • Disseminação de informações falsas: esse é o tipo mais clássico de manipulação, que envolve a disseminação de informações falsas com o objetivo de influenciar o voto. Um exemplo disso foi a utilização da narrativa de que o presidente Lula é um “ex-presidiário” para semear dúvidas sobre sua idoneidade.
  • Divulgação de dados pessoais ou internos: esse tipo de manipulação consiste em revelar dados pessoais ou internos de determinados partidos políticos imediatamente antes de uma eleição, sem dar tempo para verificar as acusações. Um exemplo disso foi a utilização dos 580 dias em que o presidente Lula passou preso, que foi usado para criar a narrativa de que ele é um criminoso inapto para governar.
  • Multiplicação de mensagens online: esse tipo de manipulação consiste na multiplicação de mensagens online contendo informações tendenciosas. Geralmente, essas manipulações são realizadas sem revelar a identidade do autor, ou até mesmo sugerindo outra identidade. Um exemplo disso foi a rede de desinformação que espalhou notícias falsas e deturpadas pró-Bolsonaro pelo aplicativo WhatsApp durante as eleições do ano passado.

É importante destacar que essas técnicas de manipulação podem ter um impacto decisivo na opinião pública, podendo influenciar o resultado de eleições e referendos. É por isso que é importante estar atento a essas técnicas e combatê-las.

Posto isto, a mídia, embora uma ferramenta para o desenvolvimento da participação democrática, torna-se um risco potencial para a democracia. Em resumo, a saber, a mídia de notícias e o governo estão entrelaçados em um círculo vicioso de manipulação mútua, criação de mitos e interesse próprio. Jornalistas, analistas e opinião pública precisam de crises para dramatizar as notícias, e os funcionários dos governos das grandes potências hegemônicas precisam parecer estar respondendo às crises.

Enfim, muitas vezes, as crises não são realmente crises, mas fabricações conjuntas. As duas instituições tornaram-se tão enredadas em uma teia simbiótica de mentiras que os meios de comunicação são incapazes de dizer ao público o que é verdade e os governos democráticos são incapazes de governar efetivamente.

Os caminhoneiros irão desaparecer?

2 de novembro de 2023 8:52 por Vanderlei Tenório

O avanço da tecnologia tem sido um tema constante de debate na sociedade. Em alguns casos, essa evolução é vista como uma ameaça aos empregos, como é o caso da automação veicular.

No setor de transporte rodoviário de carga, a automação é uma possibilidade real, mas ainda está longe de se tornar realidade no Brasil. A introdução de veículos autônomos exigirá um investimento significativo em infraestrutura e tecnologia, o que ainda não é viável no país.

Além disso, os caminhoneiros exercem um papel fundamental no transporte de mercadorias, especialmente em um país de dimensões continentais como o Brasil. Eles possuem experiência, conhecimento das rotas e, sobretudo, compreensão da precária infraestrutura do país.

Por isso, mesmo com a introdução de veículos autônomos, os caminhoneiros ainda serão necessários por muitos anos. No entanto, eles precisam estar preparados para as mudanças que essa tecnologia trará.

Tendo isso em mente, o SEST SENAT, por meio do programa Mais Motoristas, está trabalhando para capacitar esses profissionais para o futuro. A iniciativa oferece cursos de formação que combinam teoria e prática em veículos com tecnologia embarcada.

O programa já atraiu mais de 55 mil inscrições e, nos próximos meses, novas convocações serão realizadas. A iniciativa é uma oportunidade para os caminhoneiros se manterem atualizados e preparados para as mudanças que o mercado de trabalho irá enfrentar.

O programa funciona de maneira ampla para beneficiar tanto os candidatos interessados quanto as empresas envolvidas. De maneira geral, o SEST SENAT assume os custos necessários para a mudança de categoria da CNH de todos os participantes. Após a conclusão desse processo, os alunos têm a oportunidade de escolher um dos cursos oferecidos pela Escola de Motoristas.

Esses cursos abrangem diversas especializações, incluindo transporte de produtos perigosos, cargas indivisíveis e outras regulamentadas pelo Contran, transporte coletivo de passageiros e transporte de escolares.

Participar desse programa oferece uma série de vantagens para os candidatos. Além de aumentar a empregabilidade, a obtenção da certificação comprova a habilitação e a proficiência para a condução de veículos, proporcionando uma maior proximidade com empresas contratantes.

As empresas também colhem benefícios expressivos ao aderirem ao programa. Elas passam a contar com profissionais que possuem habilitação e competência comprovadas para a condução de veículos, o que contribui para a segurança no trânsito.

Além disso, os motoristas formados pelo programa são capacitados para uma condução segura e econômica, resultando em redução do consumo de combustível e diminuição dos gastos com manutenção. Dessa forma, o programa não apenas amplia as oportunidades para os profissionais, mas também promove um impacto positivo nas operações e na segurança das empresas de transporte.

Infelizmente, as inscrições para o programa Mais Motoristas encerraram em 22 de agosto de 2023. Ao todo, foram disponibilizadas 2.793 vagas distribuídas em 86 unidades operacionais em todo o país. Atualmente, mais 2 mil vagas estão sendo ofertadas, e nos próximos meses, novas convocações serão realizadas.

Enfim, é urgente implementar ações para preparar os motoristas para os próximos anos, tornando a profissão cada vez mais atrativa para os jovens. Para isso, é importante que o governo e as empresas do setor de transporte rodoviário de carga ofereçam cursos de capacitação e atualização para os caminhoneiros. Essas ações são fundamentais para garantir a permanência da profissão no Brasil e a segurança do transporte de carga.

Setor de cargas: Mulheres no volante e a falta de jovens

7 de outubro de 2023 12:29 por Vanderlei Tenório

O transporte rodoviário de cargas tem sido predominantemente composto por motoristas do gênero masculino. De acordo com dados da Secretaria Nacional de Trânsito, o país possui aproximadamente 4,39 milhões de Carteiras Nacionais de Habilitação para veículos pesados, sendo que 97,19% delas pertencem a motoristas homens, enquanto apenas 2,81% são de mulheres.

Considerando esse contexto, a Confederação Nacional dos Transportadores Autônomos (CNTA) recentemente conduziu uma pesquisa para avaliar as condições de trabalho das mulheres que atuam como caminhoneiras no país. Essa iniciativa foi concebida para fortalecer o movimento Agosto Lilás, que tem como objetivo combater a violência contra a mulher.

Conforme os resultados da pesquisa, a maioria das entrevistadas (34,7%) está na faixa etária entre 31 e 40 anos, e 43,1% delas têm menos de 5 anos de experiência na profissão. Esses dados indicam que muitas mulheres possivelmente ingressaram na carreira em estágios posteriores de suas vidas ou após uma transição de carreira, sendo que 69,6% delas escolheram a profissão movidas pelo amor a ela.

Para mais, 72,2% das entrevistadas trabalham com carteira assinada. Apenas 11,1% relataram nunca terem enfrentado preconceito relacionado à profissão, enquanto 87,5% afirmam que frequentemente ou ocasionalmente têm suas habilidades subestimadas devido ao fato de serem mulheres. Em relação ao assédio moral, 45,8% afirmaram terem sido vítimas em algumas ocasiões.

Não apenas isso, mas também é preocupante que 70,8% das mulheres entrevistadas afirmem nunca ter recebido remuneração inferior à de um colega masculino desempenhando as mesmas funções. Além disso, outra questão é a inadequação da estrutura destinada ao público feminino, sendo esse um ponto crucial destacado pelas profissionais, conforme revelado no espaço aberto da pesquisa, sendo este o aspecto mais citado pelas entrevistadas.

Na avaliação das caminhoneiras participantes, 70,8% expressaram insatisfação com a quantidade de banheiros femininos nos Postos de Parada (PPDs) e postos de combustíveis, classificando-os como péssimos ou ruins. Quanto à limpeza desses banheiros, 68,1% também avaliaram como péssima ou ruim. Aliás, 41,7% das entrevistadas consideraram como regular as opções de hospedagem disponíveis.

Diante desse panorama, a Confederação Nacional dos Transportes (CNTA) apresentou algumas propostas para reforçar a sensação de segurança das caminhoneiras nas estradas, solicitando a avaliação delas em uma escala de 1 a 5, onde a opção 5 representa uma ideia excelente.

Em adição a isso, 61,1% das participantes atribuíram nota 5 à ideia de reservar vagas exclusivas para mulheres nos PPDs, e 73,6% também classificaram com nota 5 a proposta de instalação de câmeras nas portas de acesso aos banheiros femininos.

Paralelamente a esses desafios enfrentados pelas profissionais, há uma escassez de mão de obra com as competências técnicas e operacionais necessárias para atender às demandas do setor de transporte no Brasil. De acordo com dados da Confederação Nacional do Transporte – CNT, mais de 40% das empresas de transporte rodoviário de cargas e de transporte rodoviário urbano de passageiros enfrentam dificuldades para encontrar profissionais com todas as capacidades exigidas, especialmente no caso dos motoristas.

Essa escassez é atribuída, em parte, aos elevados requisitos necessários para exercer as atividades do setor. Atualmente, para trabalhar como motorista de ônibus ou no transporte de produtos perigosos, por exemplo, é preciso ter mais de 21 anos, possuir carteira de habilitação nas categorias D ou E, e passar por cursos de formação especializada. A última pesquisa da Confederação Nacional do Transporte (CNT) sobre o perfil dos caminhoneiros, revelou que a média de idade era de 44,8 anos

Frente a essa realidade, o SEST SENAT lançou, neste ano, o projeto Mais Motoristas, que tem como objetivo aumentar o número de motoristas profissionais por meio do financiamento da mudança gratuita de categoria da CNH, além de oferecer cursos de formação (mais detalhes disponíveis aqui).

Transportes: Setembro tem sido desafiador para o setor

28 de setembro de 2023 3:29 por Vanderlei Tenório

Atualmente, uma preocupante questão está afetando tanto contratantes quanto empresas no setor de transporte: o aumento de custos decorrente das recentes mudanças na Lei do Descanso (Lei 13.103).

Esse aumento de custos, especialmente perceptível em viagens de longa distância, gira em torno de 12%. No entanto, o que tem causado ainda mais impacto é a elevação de até 70% nos custos das operações que antes eram conduzidas por duplas de motoristas. Esses números são fruto de cálculos realizados pelo Departamento de Custos Operacionais e Pesquisas Técnicas e Econômicas (Decope), vinculado à NTC&Logística.

As alterações na Lei do Descanso foram estabelecidas pelo Supremo Tribunal Federal (STF) em 12 de julho, quando foram declarados inconstitucionais vários dispositivos da lei. Entre essas alterações, estava a permissão para que os caminhoneiros dividissem o intervalo de 11 horas de descanso entre dois dias de trabalho.

Anteriormente, eles podiam descansar 8 horas, sendo que as outras 3 horas podiam coincidir com os intervalos de meia hora obrigatórios após cinco horas e meia de direção. Com a decisão do STF, os motoristas agora são obrigados a descansar ininterruptamente por 11 horas e não podem acumular períodos de descanso remunerados em viagens de longa distância.

Antes, a lei permitia que eles trabalhassem três semanas consecutivas e, em seguida, tivessem três dias de folga em casa com a família. Agora, essa prática não é mais permitida, sendo obrigatório um dia de descanso por semana, independentemente de onde estiverem.

Outro fator impactante no setor é o preço do diesel. O preço médio do diesel S10 nos postos de combustível do Brasil registrou uma nova alta nesta semana, de 0,32%, atingindo R$ 6,22 por litro entre os dias 17 e 23 de setembro.

Nas semanas anteriores, de 10 a 16 de setembro, o preço médio nacional do produto era de R$ 6,20 por litro. Esse é o oitavo aumento consecutivo no preço médio do diesel S10 para os consumidores, com a última queda ocorrendo no fim de julho. O aumento nos preços é resultado de uma série de fatores, incluindo a cobrança de tributos, os reajustes nas refinarias e a retomada da cobrança de impostos federais PIS/Cofins, além do impacto do biodiesel na mistura vendida nos postos.

A situação pode se agravar ainda mais com a proibição das exportações de diesel e gasolina pela Rússia, o que pode exercer pressão adicional sobre os preços dos combustíveis no Brasil. Segundo analistas, essa medida do governo russo visa estabilizar o mercado local, que enfrentou meses de escassez de combustíveis. Além disso, o governo russo está considerando a aplicação de uma taxa de US$ 250 por tonelada de derivados de petróleo de outubro de 2023 a julho de 2024.

Essa restrição às exportações russas já está gerando aumento nos spreads de refino e nos preços do petróleo bruto, com implicações significativas para o mercado global. Apesar do crescimento na produção interna de óleo e gás, o Brasil ainda é fortemente dependente de derivados de petróleo importados, o que o torna vulnerável às flutuações de preços no cenário internacional. Em agosto, a Petrobras operou suas refinarias quase na capacidade máxima, mas os consumidores não sentiram alívio nos preços, já que o diesel subiu 8,54% e a gasolina 1,24% no mesmo mês.

Como se não bastasse, desde 16 de agosto, os caminhoneiros têm enfrentado um custo adicional de cerca de R$ 300 para encher o tanque de seus caminhões. Esses dados foram revelados em um levantamento realizado pelo Índice de Preços Ticket Log (IPTL), que monitora os preços nos postos de combustível e demonstra o impacto direto desses aumentos nos gastos dos caminhoneiros.

Segundo o IPTL, o preço do diesel aumentou consideravelmente nas bombas de abastecimento do país após o último reajuste de 25,8% no valor repassado às refinarias, que entrou em vigor em 16 de agosto. Entre os dias 10 e 24 de agosto, o preço médio do diesel comum subiu 18,40%, passando de uma média de R$ 5,11 para R$ 5,76. O diesel tipo S-10, com menor teor de enxofre, também registrou um aumento de 19,05% no mesmo período, indo de R$ 5,25 para R$ 5,94.

102 anos de Paulo Freire

Em 19 de setembro, comemoraríamos o 102º aniversário de Paulo Freire (1921-1997), Patrono da Educação Brasileira. Mesmo decorridos 26 anos desde seu falecimento, as ideias desse grande educador continuam a servir como um alicerce fundamental para escolas e universidades que enxergam a sala de aula como um meio essencial para promover a transformação social.

 

Freire cursou Direito na Universidade do Recife, que hoje é conhecida como Universidade Federal de Pernambuco. No entanto, ele optou por não seguir a carreira jurídica e, em vez disso, dedicou-se ao ensino da língua portuguesa, focando sua carreira na educação. Em 1963, ele realizou uma experiência pioneira de alfabetização de adultos em Angicos, no Rio Grande do Norte. Infelizmente, o programa, que tinha planos de expansão nacional, foi interrompido devido à Ditadura Civil Militar, que durou de 1964 a 1985.

Após ser preso e exilado, ele partiu rumo ao Chile e, posteriormente, aos Estados Unidos, onde lecionou na Universidade Harvard. Foi no exterior que ele produziu suas obras mais importantes. Com a anistia concedida pela Lei nº 6.683, de agosto de 1979, ele retornou ao Brasil. Em 1989, assumiu o papel de Secretário Municipal de Educação de São Paulo (1989-1991) ao lado de seu discípulo, Mario Sergio Cortella, durante a gestão de Luiza Erundina (1989-1993), que na época estava no Partido dos Trabalhadores (PT). Ele permaneceu nessa função até 1991.

Na mesma época, na cidade de São Paulo, nasceu o Instituto Paulo Freire com a missão de disseminar e aprofundar os conceitos e visões desenvolvidos por ele. Até os dias atuais, o instituto mantém a guarda dos arquivos pessoais desse ilustre pedagogo e também se envolve ativamente em diversas iniciativas voltadas para a preservação de seu legado intelectual, bem como para sua influência nas questões educacionais, tanto no contexto brasileiro quanto global.

Paulo morreu de um ataque cardíaco em 2 de maio de 1997, às 6h53, no Hospital Albert Einstein, em São Paulo, devido a complicações em uma operação de desobstrução de artérias.

Seu trabalho é amplamente reconhecido em todo o mundo, com títulos honorários concedidos por 41 instituições de ensino, incluindo universidades de renome como Harvard, Cambridge e Oxford. Em obras notáveis, como o icônico “Pedagogia do Oprimido”, o intelectual enfatiza o papel fundamental da educação no processo de conscientização das pessoas e na promoção do desenvolvimento do pensamento crítico.

Freire concebia a educação como uma ferramenta para a emancipação tanto individual quanto social. Ele sustentava que todo processo educacional deveria iniciar-se a partir da realidade do próprio aluno. Além disso, enfatizava a importância da horizontalidade, o que significa não apenas a oportunidade de os alunos aprenderem com os professores, mas também o inverso, ou seja, a possibilidade de os professores aprenderem com os alunos.

Para Walter Kohan, professor da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) e autor de Paulo Freire mais do que nunca: Uma biografia filosófica, este notável educador conseguiu sintetizar várias tradições educacionais de sua época e expressá-las de maneira extraordinariamente poderosa, algo que ninguém mais havia conseguido.

Por sua vez, Sérgio Haddad, biógrafo de Freire e autor do livro “O educador: um perfil de Paulo Freire”, destaca a convergência do trabalho de Freire com o “espírito da época”, apresentando uma pedagogia voltada para a liberdade em um momento marcado pela Guerra Fria e por ditaduras na América Latina.

Em uma entrevista concedida à Edison Veiga da DW Brasil, para a reportagem “Por que a extrema direita elegeu Paulo Freire seu inimigo”, o sociólogo Abdeljalil Akkari, da Universidade de Genebra, afirmou que a essência da obra de Freire é fundamentalmente política, no sentido mais elevado da palavra, não se referindo à política partidária. É por essa razão que, em todas as partes do mundo, sua obra é reconhecida como algo de grande interesse para a reflexão sobre o futuro da educação contemporânea.

Ítalo Francisco Curcio, professor do curso de pedagogia na Universidade Presbiteriana Mackenzie, compartilhou com Veiga que muitos daqueles que rejeitam Paulo Freire geralmente não têm expertise na área da educação. Ele observou que essas pessoas frequentemente repetem declarações propagadas por líderes com os quais se alinham, e considerou essa situação bastante prejudicial. Em sua perspectiva, essa discordância acaba afetando a própria população, desde as crianças até os adultos.

Na mesma entrevista, o educador Daniel Cara, que é professor da Universidade de São Paulo e líder da Campanha Nacional pelo Direito à Educação, destacou que a pedagogia freireana tem como objetivo capacitar cada indivíduo a descobrir sua própria voz. Isso, por sua vez, permite que eles adquiram a capacidade de interpretar o mundo ao seu redor e se expressar diante dele. Essa abordagem é notável por sua ênfase na promoção da autonomia e da esperança, sendo considerada libertadora no sentido de empoderar as pessoas para que possam se libertar das opressões que tentam silenciá-las.

Por fim, é relevante mencionar que neste ano foi anunciada a cinebiografia “Angicos”, na qual o ator Wagner Moura assume o papel de Paulo Freire. O filme é descrito como uma sincera homenagem a Paulo Freire, que acreditava que a educação era uma poderosa ferramenta de libertação capaz de transformar a sociedade. “Angicos” vai contar a história do experimento pedagógico realizado pelo educador em 1963, na cidade de Angicos, no Rio Grande do Norte. Nesse experimento, Paulo Freire conseguiu alfabetizar cerca de 300 pessoas em apenas 40 horas.

 

O argumento do filme, desenvolvido com a consultoria da família de Paulo Freire, foi elaborado por Felipe Hirsch, também responsável pelo roteiro de “Severina”. A cinebiografia ainda não possui uma data de lançamento definida.

 

Onde está o diesel?

12 de agosto de 2023 11:41 por Vanderlei Tenório

A política de fixação de preços adotada pela Petrobras tem gerado um crescente descompasso entre os valores dos combustíveis no mercado interno e as flutuações das cotações internacionais. Essa situação vem desencadeando problemas também no abastecimento doméstico, com postos de combustível enfrentando dificuldades na aquisição de óleo diesel. Revendedores relatam que as empresas distribuidoras estão reduzindo e limitando os pedidos de compra devido à diminuição da disponibilidade desse produto no mercado nacional.

Estimativas do setor apontam para uma discrepância de cerca de 26% nos preços dos combustíveis em relação ao mercado internacional, o que torna inviável a importação do produto para as distribuidoras independentes. Esse desequilíbrio já começa a se manifestar no fornecimento dos combustíveis, com alguns pontos do país começando a impor restrições nas vendas, embora ainda não haja escassez generalizada.

Apesar de a situação atual não se assemelhar ao cenário do mesmo período do ano anterior, já há relatos pontuais de falta de combustível por parte dos caminhoneiros. Uma pesquisa conduzida pela consultoria Posto Seguro revelou que revendedores estão enfrentando dificuldades para adquirir diesel S500 em seis estados: Rondônia, Pará, Minas Gerais, Mato Grosso, Paraná e Santa Catarina.

A situação é ainda mais crítica para o diesel S10, com relatos de interrupções no fornecimento em 11 unidades federativas: Rondônia, Pará, Tocantins, Rio de Janeiro, Distrito Federal, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

A Federação Nacional do Comércio de Combustíveis e de Lubrificantes (Fecombustíveis) confirma a ocorrência de restrições em algumas regiões, mas ressalta que se trata de casos isolados e não há um quadro de escassez no país no momento.

Nos últimos 30 dias, os preços internacionais do diesel têm subido consideravelmente, o que torna menos atrativa a importação desse produto em comparação com o diesel nacional produzido pela Petrobras. A empresa estatal está praticando preços mais baixos devido a uma nova estratégia comercial. Isso tem levado importadores e distribuidores, incluindo os de menor porte, a buscar suprimentos junto à Petrobras e às principais distribuidoras do país, como Vibra, Raízen e Ipiranga, cujas capacidades de fornecimento já estão comprometidas por contratos pré-estabelecidos.

Em relação aos preços internacionais, a Associação Brasileira de Importadores de Combustíveis (Abicom) afirma que os valores praticados no Brasil estão cerca de 23% mais baixos para o óleo diesel e 18% para a gasolina. Se analisarmos somente as refinarias da Petrobras, essa diferença aumenta para 28% e 24%, respectivamente, o que poderia resultar em um aumento de R$ 1,14 por litro no diesel e R$ 0,77 na gasolina.

A Petrobras, em comunicado, assegura que está honrando integralmente seus compromissos contratuais com as distribuidoras. A empresa também ressalta que o mercado brasileiro é atendido por diversos agentes além da própria Petrobras, como distribuidoras, importadores, refinarias e formuladores, que têm a capacidade plena de atender a demanda por derivados de petróleo.

Entenda a dinâmica geopolítica que resultou na proibição da exibição do filme “Barbie” no Vietnã

5 de julho de 2023 2:40 por Vanderlei Tenório

Na última segunda-feira (3), a mídia estatal do Vietnã divulgou que o filme “Barbie”, realizado por Greta Gerwig, não será disponibilizado para exibição no país. O motivo para essa proibição reside em uma determinada cena que exibe um mapa contendo a controversa “linha dos nove traços”, uma reivindicação territorial da China sobre a região do Mar do Sul da China, a qual é contestada pelos vietnamitas.

De acordo com Vi Kien Thanh, o chefe do Departamento de Cinema local, a licença para o lançamento do filme norte-americano “Barbie” não foi concedida devido à presença dessa imagem considerada ofensiva, a qual retrata a mencionada linha.

Esta não é a primeira vez que o mapa em questão causa contestações no país do sudeste asiático. No ano de 2019, o governo Võ Văn Thưởng também proibiu a exibição da animação “Abominável”, de Jill Culton e Karey Kirkpatrick, produzida pela DreamWorks, sob o mesmo argumento. Além disso, outras produções, tais como o filme de ação “Uncharted”, de Ruben Fleischer e a série de espionagem australiana “Pine Gap”, foram barradas por apresentarem o referido mapa.

Essas decisões de censura refletem as tensões políticas e territoriais entre o Vietnã e a China em relação à região do Mar do Sul da China, tornando-se um tema sensível para o país, que busca preservar sua soberania e interesses nacionais.

Tendo em vista esse cenário, no papel de professor de atualidades e de ex-bacharelando em Geografia pela Universidade Federal de Alagoas (UFAL), é minha responsabilidade explicar melhor o fenômeno em questão.

Dito isso, a complexa origem das disputas territoriais no Mar da China Meridional remonta aos mapas oficiais criados pelo governo nacionalista do Kuomintang antes e depois da Segunda Guerra Mundial, como documentado no livro “Asia’s Cauldron”, de Robert D. Kaplan. Após a derrota do Kuomintang pelas forças comunistas lideradas por Mao Zedong, o governo nacionalista se refugiou em Taiwan, onde estabeleceu sua sede. Essa situação resultou na República Popular da China e Taiwan reivindicando oficialmente a propriedade do Mar da China Meridional.

A principal fonte de disputa territorial está relacionada à Linha de Nove Traços, originalmente uma linha de 11 traços, que foi estabelecida com a ajuda do geógrafo chinês Yang Huairen. No entanto, países como Vietnã, Filipinas e Malásia argumentam que essa linha ultrapassa os limites estabelecidos pelo Direito do Mar e reivindica um território muito maior do que é justificável.

Dessa forma, as reivindicações territoriais da China têm gerado tensões, pois entram em conflito com as questões de soberania territorial dos Estados do Sudeste Asiático. Nesse aspecto, embora a China se baseie em argumentos históricos para justificar suas pretensões, essas alegações são vistas com preocupação pelos países vizinhos, que temem uma possível hegemonia chinesa na região. Por conseguinte, a ocupação de ilhas no Mar do Sul da China e a construção de ilhas artificiais têm aumentado as tensões, levantando preocupações sobre a biodiversidade marinha e as relações políticas e diplomáticas entre os países da região.

Por sua vez, sob esse ângulo, o Vietnã reivindica a soberania das ilhas Paracel e Spratly, o que resulta em conflitos acentuados com a China. Para esquentar a “briga”, Taiwan também busca fundamentos históricos para suas reivindicações nessas ilhas. No meio de tudo isso, Malásia, Brunei e Filipinas baseiam-se no Direito do Mar (UNCLOS) para justificar suas reivindicações territoriais.

Mais especificamente, Taiwan também pleiteia o território das ilhas Paracel e ocupa a maior ilha do arquipélago de Spratly. O sultanato de Brunei reivindica um pequeno recife nas ilhas Spratly, dentro de sua Zona Econômica Exclusiva (ZEE). A Malásia também reivindica áreas dentro de sua ZEE, assim como algumas ilhas da cadeia de Spratly. As Filipinas têm uma relação estreita com os Estados Unidos, mas Washington não tem sido ativo na defesa das ilhas ocupadas no arquipélago de Spratly, que são reivindicadas em sua totalidade pelo governo filipino. No início de 2013, as Filipinas iniciaram um procedimento arbitral contra a China na Corte Permanente de Arbitragem, mas todas as decisões foram negadas por Pequim.

Essa região é de grande importância econômica, pois uma porcentagem significativa do comércio mundial passa pelo Mar da China Meridional, incluindo recursos energéticos como gás natural e petróleo. Por esse motivo, é conhecido como a “garganta do Pacífico” e é uma das rotas comerciais mais importantes do mundo.

Em resumo, a disputa territorial no Mar da China Meridional é uma questão complexa e delicada, envolvendo argumentos históricos, soberania territorial, interesses econômicos e relações políticas entre os países da região. O cenário geopolítico e a importância estratégica da área tornam essas disputas uma preocupação internacional.

“Barbie”, estrelado por Margot Robbie e Ryan Gosling, estava originalmente programado para estrear no Vietnã em 21 de julho, a mesma data que nos Estados Unidos, de acordo com o jornal estatal Tuoi Tre.

 

Fontes teóricas consultadas:

ZIETLOW, B; MARTINS, C. Tensões no Mar do Sul da China. RIPE/UFRGS, Porto Alegre, 04 de jul. de 2023. Disponível em: https://www.ufrgs.br/ripe/wp-content/uploads/2017/05/Mar-do-Sul-da-China.pdf. Acesso em: 04 de jul. de 2023.

FAKHOURY, R. M. M. As disputas marítimas no Mar do Sul da China: antecedentes e ações militares no século XXISérie Conflitos Internacionais, Marília, v. 6, n. 1, p. 1- 9, fev. 2019.

Cretaceous Park?

27 de junho de 2023 12:10 por Vanderlei Tenório

Embora o título do filme “Jurassic Park” faça uma referência direta ao período Jurássico, que ocorreu entre 205 e 142 milhões de anos atrás, a maioria dos dinossauros que aparecem nele pertence ao período Cretáceo, que ocorreu de 145 milhões a 65 milhões de anos atrás.

Mesmo que tenha havido um erro cronológico em uma das falas iniciais do Dr. Alan Grant, interpretado por Sam Neill, os roteiristas reconheceram o erro. Eles afirmaram que a maioria dos espectadores não saberia a diferença entre os períodos Jurássico e Cretáceo, mas reconheceram a importância de se manter a precisão histórica em obras de ficção científica.

 

 

Por conseguinte, no início do primeiro filme da série “Jurassic Park”, há uma cena que se passa em um acampamento de escavações em um deserto de Montana, nos Estados Unidos, entre os minutos 07:46 e 09:00. Nessa cena, o personagem Dr. Alan Grant declama um monólogo científico para um garoto descrente da existência de dinossauros. Na breve declamação, o Dr. Grant enfatiza a veracidade e a genialidade da existência do Velociraptor e pede para o garoto se imaginar no período Cretáceo.

 

“Tente se imaginar no período Cretáceo…”

 

O período Cretáceo é um dos três períodos geológicos da era Mesozoica, que ocorreu há cerca de 145 milhões a 65 milhões de anos atrás. Durante este período, muitos dinossauros se desenvolveram e evoluíram, incluindo o famoso Velociraptor. O Dr. Grant usa essa referência para encorajar o garoto a imaginar a realidade desses animais pré-históricos e acreditar em sua existência.

 

 

Nesse quadro, a dúvida sobre se os dinossauros só existiram no período Jurássico pode parecer fechada, mas a resposta é um sonoro não! Os dinossauros não se limitaram apenas a esse período, que corresponde ao segundo período da Era Mesozoica, entre 205 e 142 milhões de anos atrás.

A Terra passou por inúmeras mudanças geológicas ao longo de sua história, afetando tanto sua estrutura quanto a vida que a ocupava. Essas mudanças ocorreram durante milhares e milhões de anos, o que resultou em uma ampla diversidade de dinossauros em diferentes eras geológicas. Portanto, afirmar que os dinossauros só existiram no período Jurássico é uma afirmação completamente equivocada.

Logo, atualmente, há um consenso razoável de que os dinossauros surgiram no início do período Triássico e atingiram seu ápice de existência no período Jurássico, sendo extintos no início do período Cretáceo. No entanto, a causa da extinção dos dinossauros e de quase toda forma de vida no planeta é um tema que ainda gera debate entre cientistas. A descoberta de uma cratera gigantesca na Península de Yucatán, no México, no início dos anos 1990, levou muitos cientistas a afirmarem que o choque de um asteroide com a Terra, há 66 milhões de anos, foi a causa da extinção dos dinossauros.

Contudo, outros estudiosos têm questionado essa teoria amplamente aceita da “morte súbita por asteroide. Esse grupo argumenta que erupções vulcânicas massivas, que podem ter liberado gases capazes de mudar o clima numa região do tamanho da Espanha, conhecida como Basaltos de Decão, podem ter tido um papel significativo na devastação da vida na Terra. Apesar de ainda não haver um consenso definitivo, essas teorias nos fornecem informações valiosas sobre a história do nosso planeta e a forma como eventos catastróficos podem afetar a vida na Terra.

 

 

Nesse ínterim, a trilogia cinematográfica Jurassic Park, lançada entre 1993 e 2001, é conhecida por trazer os dinossauros à vida nas telonas com uma perfeição nunca antes vista. Embora a franquia seja a mais famosa representação cinematográfica dessas criaturas milenares, é importante analisar os períodos em que as espécies retratadas nos filmes habitaram.

Detalhando melhor, durante o período Jurássico, por exemplo, existiram dinossauros como o Brachiosaurus, o Dilophosaurus, o Stegosaurus, o Compsognathus e o Ceratosaurus. Já durante o período Cretáceo, houve espécies como o Tyrannosaurus, o Triceratops, o Velociraptor, o Parasaurolophus, o Corythosaurus, o Baryonyx e o Ankylosaurus. Nesse sentido, embora a franquia seja intitulada Jurassic Park, matematicamente, o primeiro filme tem um maior número de espécies do Cretáceo do que do Jurássico, o que traz uma ironia ao nome da franquia.

Por conseguinte, podemos identificar alguns fatos curiosos na franquia Jurassic Park, um deles sendo que a maioria dos dinossauros deveria ter penas em seus corpos, incluindo o Tiranossauro rex. Xing Xu, um paleontólogo chinês que nomeou mais dinossauros do que qualquer outro paleontólogo vivo, descobriu através de fósseis bem preservados que a maioria das espécies de dinossauros possuía penas. Ele liderou um grupo de cientistas que analisou uma série de fósseis de aves primitivas com mais de 100 milhões de anos e constatou que algumas espécies tinham quatro asas, com penas nos membros traseiros que poderiam ser utilizadas para voar.

A pesquisa concluiu que o processo evolutivo levou os pares de asas traseiras a se tornarem patas, com penas cada vez menores ao longo do tempo. Um estudo semelhante realizado pela revista Science chegou à conclusão de que 11 fósseis de pássaros primitivos apresentavam evidências notáveis de grandes penas nos membros traseiros, que compunham um sistema de quatro asas.

Curiosamente, a franquia Jurassic Park não retratou os dinossauros com penas em seus efeitos especiais, apesar de ser um marco na indústria de efeitos especiais. O personagem Dr. Grant menciona esse fato em detalhes em um exemplo com um fóssil de Velociraptor entre os minutos 7:18 e 7:33 do filme 1.

À vista disso, o sucesso meteórico de bilheteria do primeiro filme da franquia “Jurassic Park”, que arrecadou US$1.029.153.882, pode ser atribuído à construção virtual dos dinossauros que contracenaram com o elenco de carne e osso. Esse sucesso demonstrou nosso fascínio por essas criaturas pré-históricas enigmáticas e peculiares, que sempre instigaram nossa imaginação desde a infância.

Ademais, um fato curioso sobre o filme é que a afirmação do Dr. Alan Grant, que diz para a neta de John Hammond “Não se mexa! Ele não pode nos ver se nós não nos mexermos”, está incorreta em relação ao Tiranossauro rex (Tyrannosaurus). O Tiranossauro rex (Tyrannosaurus) conseguia ver mesmo que o alvo não estivesse se movendo, e há evidências de que ele tinha uma visão excelente, provavelmente melhor que a das águias e gaviões atuais.

 

 

Além disso, o Tiranossauro rex (Tyrannosaurus) também tinha ótimos sentidos de olfato e audição, indicando que permanecer imóvel diante dele como mostrado no filme não seria uma estratégia eficaz para despistá-lo. A velocidade dos tiranossauros é um ponto de controvérsia entre os cientistas, mas muitos acreditam que a velocidade máxima dos tiranossauros ficava entre 27 e 40 quilômetros por hora, o que pode tornar algumas cenas do filme menos dramáticas.

O filme também apresenta uma representação imprecisa dos Braquiossauros. Nesse aspecto, Mateus Marchetto, no artigo “Os dinossauros mais famosos a caminharem pela Terra”da seção “Planeta Terra” do site So Cientifica, observa que ao mostrar um braquiossauro adulto levantando-se sobre as patas traseiras para alcançar folhas de uma árvore, o primeiro filme da franquia omite o fato de que esses dinossauros eram simplesmente muito pesados para realizar tal ação. Além disso, os braquiossauros possuíam patas dianteiras mais longas, o que lhes permitia alcançar galhos mais altos das árvores.

 

 

Para finalizar o artigo, gostaria de comentar sobre a clonagem e recriação de espécies de dinossauros através da engenharia genética usada no argumento dos filmes. A ideia de clonar e recriar espécies de dinossauros através da engenharia genética, como apresentada no filme “Jurassic Park”, é impossível de ser realizada na realidade.

No filme, os cientistas da empresa InGen coletavam o DNA de animais extintos por meio da coleta do sangue existente dentro de mosquitos presos em âmbar há milhões de anos. A partir desse material genético, os dinossauros eram clonados e colocados em um parque temático. Conquanto, estudos recentes demonstram que o DNA degrada-se facilmente no ambiente, e mesmo em condições ideais, nenhum DNA sobreviveria a mais de 6,8 milhões de anos, o que torna essa ideia impossível de ser concretizada.

No entanto, algumas pesquisas recentes têm tentado reverter geneticamente as aves para terem algumas características de seus ancestrais, que são dinossauros. Apesar disso, essas aves nunca serão completamente semelhantes a qualquer espécie de dinossauro que já existiu.