segunda-feira 15 de julho de 2024

Terra Indígena Yanomami tem reduçao de 80% nas áreas atingidas por garimpo ilegal

Queda ocorre sete meses após início da expulsão dos invasores; garimpeiros remanescentes seguem provocando insegurança
Ministério da Defesa diz que grandes pontos de garimpo na Terra Indígena Yanomami já foram desativados | Bruno Kelly/Amazônia Real

Por Brasil de Fato

A área atingida pelo garimpo ilegal na Terra Indígena Yanomami caiu 78,5% entre janeiro e setembro de 2023, em comparação com o mesmo período do ano passado.

Os dados foram divulgados nesta sexta-feira (15) pelo Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia (Censipam), do Ministério da Defesa.

Nos primeiros nove meses de 2023, a área impactada pelo garimpo foi de 214 hectares. Já no ano passado atividade ocupou 999 hectares, conforme aponta o monitoramento por satélite do Cenispam.

Na terra indígena Yanomami, o garimpo ilegal provocou uma crise humanitária que, ignorada pelo governo de Jair Bolsonaro (PL), resultou na morte por causas evitáveis de pelo menos 570 crianças indígenas.

Segundo o Ministério da Defesa, a redução de quase 80% indica que a presença dos garimpeiros está restrita a pequenas áreas da região e que as maiores concentrações de invasores foram desmobilizadas.

Imagens de satélite divulgadas pelo Cinespam mostram que houve mudança na coloração de dois rios afetados pelo garimpo – Uraricoera e Mucajaí. O cor amarelada, fruto da contaminação pelo mercúrio, deu lugar ao tom mais natural mais escuro da água.

Imagens de satélite mostram rios mais saudáveis após redução de 80% no garimpo na Terra Indígena Yanomami / Divulgação/Governo Federal

A baixa no garimpo ocorre sete meses após o governo federal deflagrar a operação Libertação, que mobiliza 700 integrantes de diferentes instituições governamentais, com o objetivo de por fim ao garimpo ilegal no território Yanomami.

Após a intervenção do governo federal, foram abertas frentes de atendimento de saúde dentro do território. As vítimas sofriam com malária, verminoses, desnutrição e contaminação por mercúrio.

Garimpo segue provocando insegurança, dizem indígenas

Um relatório lançado em agosto deste ano por associações Yanomami e Ye’kwana aponta que garimpeiros ainda persistem no território, provocando instabilidade e insegurança.

As organizações indígenas dizem que políticos, militares e facções criminosas ligadas ao garimpo ilegal contribuem para tumultuar e atrasar ainda mais o processo de expulsão dos garimpeiros, que se arrasta desde fevereiro deste ano.

O relatório cobra ações do governo federal para aperfeiçoar e ampliar ações de saúde, ajuda humanitária e restabelecimento de segurança alimentar, profundamente afetadas pelo garimpo.

“Talvez você possa considerar 70% de evolução positiva depois de 6 meses. Mas ainda precisa ser olhado mais para dentro da terra Yanomami” afirmou em agosto Maurício Ye’kwana, da Hutukara Associação Yanomami.

“[A gestão federal] precisa ter esse diálogo com as organizações indígenas. Porque só o governo entrando lá dentro e tentando fazer algo não vai conseguir fazer. Não sem a presença das organizações indígenas que estão ali”, cobrou o líder indígena.

O Ministério dos Povos Indígenas (MPI) reconhece que ainda há questões a serem resolvidas envolvendo a Terra Indígena Yanomami, mas afirmou que a reconstrução dos estragos que foram feitos ao longo de anos de descaso leva algum tempo.

“Ainda assim, podemos afirmar que o tratamento dispensado não só aos Yanomami, mas a todos os povos indígenas, já mudou para melhor”, declarou o MPI.

Mais lidas

Além da pressão dos aliados, JHC tem agora que enfrentar ação no MP por R$

Na busca para reeleger-se, o prefeito de Maceió, João Henrique Caldas, o JHC, precisa

Alagoas conta com Núcleos de Apoio ao Fumante em 13 municípios

Com o objetivo de ajudar tabagistas a se livrarem do vício em cigarros, o

STF volta a julgar recurso de Collor para anular condenação por corrupção na Lava-Jato

O Supremo Tribunal Federal (STF) voltou a movimentar o processo em que o ex-presidente

Marielle: a quem se destina a terra?

Por Eliane Brum, do portal Sumauma “Quem possui a terra possui o homem.” Essa

CPI da Braskem tem 35 dias para concluir investigação, que inclui visita aos bairros destruídos

Com o objetivo de investigar a responsabilidade jurídica e socioambiental da mineradora Braskem no

Sem declarar IR cidadão não pode sequer receber prêmio de loteria que, acumulada, hoje sorteia

O prazo para entrega da Declaração do Imposto de Renda Pessoa Física (DIRPF) em

Risco de morte após a febre chikungunya continua por até 84 dias, diz Fiocruz

Em meio à epidemia de dengue e ao aumento de casos por febre chikungunya, um

Saúde volta a alertar alagoanos sobre medidas de prevenção contra a dengue

A Secretaria de Estado de Alagoas (Sesau) volta a alertar a população alagoana sobre

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *