quinta-feira 13 de junho de 2024

Moradores se unem para não serem “empurrados para o futuro” pela Braskem

Fora do Mapa de Risco, comunidade do Flexal de Baixo e Flexal de Cima cobram inclusão no Plano de Compensação Financeira
Apenas ruínas restaram em alguns bairros, deixando moradores do Flexal de Baixo e de Cima isolados | Reprodução TV Gazeta

Uma pesquisa realizada pela União das Associações dos Moradores Vítimas da Braskem revela que 81% dos moradores do Flexal de Baixo e Flexal de Cima, no bairro de Bebedouro, querem ser realocados, com inclusão no Plano de Compensação Financeira (PCF) da Braskem. O documento já foi encaminhado aos órgãos de controle – Ministério Público Federal (MPF) e Estadual (MPE) e Defensoria Pública da União (DPU) e Estadual (DPE).

O novo mapa de risco apresentado pela empresa, que tem sido contestado pelos moradores daquela região, apresenta 3.100 imóveis para serem incluídos como em áreas de risco “presente e futura”. Uma ação civil pública cobra a inclusão imediata de todos os 3.100 imóveis da região no Plano de Compensação Financeira. A estimativa é de que 10 mil pessoas foram atingidas pelo maior crime ambiental em área urbana do mundo, somente naquela área.

O defensor público geral, Ricardo Melro, está do lado dos moradores. “Não existe risco presente e futuro. A população precisa de segurança jurídica, da certeza de que será indenizada e que será compensada, adequadamente, pelo dano ocorrido no subsolo que está gerando esse problema nos bairros afetados. Querer criar formalismo é tentar empurrar, com todo respeito, um problema atual para um futuro, para um dia incerto e não sabido”, afirmou.

Moradores reclamam da falta de assistência

Em um grupo de WhatsApp, moradores demonstram estarem inconformados com o tratamento que recebem da Braskem e da Prefeitura de Maceió. “Nós fomos afetados pelos danos causados pela Braskem. O Flexal de Baixo e de Cima está deserto, não temos padaria, farmácia, mercado, nada. Estamos abandonados e sem qualquer segurança”, reclama um morador.

Recentemente, o vereador Francisco Sales levou um trio elétrico, bebidas e fez uma festa para falar sobre o que vem realizando pelo bairro, gerando críticas dos moradores no grupo. “A União das Associações vai entrar com uma Ação Civil Pública, não é preciso agora o vereador Francisco Sales dizer que vai entrar com uma ação. Se ele quisesse, teria feito antes. Quando ele viu que estamos nos mobilizando, não adianta mais”.

O isolamento social preocupa outra moradora. “Nós estamos num ilhamento social, estamos abandonados, sem nada e ainda existe o medo da questão do afundamento, as nossas casas estão rachando. A prefeitura e os órgãos públicos deveriam pressionar a Braskem para tirar os moradores daqui que estão submetidos ao ilhamento social e correndo risco. Como é que a prefeitura e a Braskem vão priorizar os bairros vizinhos com revitalização, construção e reforma de praças e nós ficamos aqui ilhados, sofrendo nas quebradas e nos flechais? Vão revitalizar a Chã de Bebedouro, Chã da Jaqueira e todos os bairros vão ser revitalizados, segundo informaram”, escreveu.

O defensor público Ricardo Melro | Ascom DPE

Estratégia da Braskem é “empurrar para a frente” o processo

São 10 mil pessoas afetadas no Flexal de Baixo e de Cima, segundo a Defensoria Pública Estadual. A estratégia da Braskem é, como bem observou o chefe da DPE, Ricardo Melro, empurrar para a frente, exaurir as forças da população pobre desse bairro e dos demais atingidos pelo seu crime ambiental.

A associação, que une os moradores de seis localidades atingidos pelo afundamento do solo – Pinheiro, Bebedouro, Mutange, Bom Parto, Gruta do Padre e Saem – já realizou um evento, com o apoio do prefeito JHC, para que todos pudessem se pronunciar sobre vários temas de interesse das vítimas da Braskem.

O grupo também explicou, ao presidente da Comissão Especial de Inquérito – CEI/ Braskem, vereador Leonardo Dias, a importância da realização de uma audiência pública presencial com a participação da Braskem e de todos os moradores vítimas da mineração de sal-gema.

“Continuaremos trabalhando com a legitimidade que é conferida às Associações dos Moradores, buscando regatar os direitos para as vítimas desse crime socioambiental cometido pela Braskem”, destaca nota emitida pela Associação ao 082 Notícias.

Mais lidas

Alagoas conta com Núcleos de Apoio ao Fumante em 13 municípios

Com o objetivo de ajudar tabagistas a se livrarem do vício em cigarros, o

STF volta a julgar recurso de Collor para anular condenação por corrupção na Lava-Jato

O Supremo Tribunal Federal (STF) voltou a movimentar o processo em que o ex-presidente

Marielle: a quem se destina a terra?

Por Eliane Brum, do portal Sumauma “Quem possui a terra possui o homem.” Essa

CPI da Braskem tem 35 dias para concluir investigação, que inclui visita aos bairros destruídos

Com o objetivo de investigar a responsabilidade jurídica e socioambiental da mineradora Braskem no

Sem declarar IR cidadão não pode sequer receber prêmio de loteria que, acumulada, hoje sorteia

O prazo para entrega da Declaração do Imposto de Renda Pessoa Física (DIRPF) em

Risco de morte após a febre chikungunya continua por até 84 dias, diz Fiocruz

Em meio à epidemia de dengue e ao aumento de casos por febre chikungunya, um

Saúde volta a alertar alagoanos sobre medidas de prevenção contra a dengue

A Secretaria de Estado de Alagoas (Sesau) volta a alertar a população alagoana sobre

PF indicia filho de Bolsonaro por falsidade ideológica e lavagem de dinheiro

A Polícia Federal em Brasília indiciou Jair Renan Bolsonaro, filho do ex-presidente Bolsonaro, pelos

1 Comentário

  • Quanto descaso com os seres humanos!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *