quinta-feira 23 de maio de 2024

O Papa Francisco e o Sínodo da Amazônia (2)

10 de julho de 2020 8:46 por Redação

No artigo passado, procuramos entender o Sínodo dos bispos, convocado pelo Papa Francisco: Amazônia: Novos caminhos para a Igreja e para uma Ecologia Integral”, sua importância, sua convocação, articulação e repercussão. Hoje, vamos nos debruçar sobre os temas que nortearam as discussões e o processo de consulta às bases para a definição dos mesmos.

(Foto nº 01)

(Fonte: http://caravaggio.org.br/)

O Sínodo é compreendido como um processo articulado em três fases: a fase preparatória, em que se realiza a consulta dos interlocutores que vivem nas realidades envolvidas;  a fase celebrativa, caracterizada pela reunião dos bispos em assembleia, que ocorreu em Roma, de 06 a 27 de outubro; e a fase de atuação, em que as conclusões do Sínodo, aprovadas pelo Bispo de Roma, o Papa (através do documento “Querida Amazônia”, de 12.02.2020) , ou seja, as decisões do Sínodo serão acolhidas pelas Igrejas em todas as localidades.

A metodologia empregada pelo Sínodo parte da realidade, como indica a Gaudium et Spes (GS 1-10), documento do Concílio Vaticano II sobre a Igreja no mundo atual. Cerca de 87 mil  indígenas, quilombolas, ribeirinhos, pescadores e demais comunidades amazônicas foram consultados para que a Igreja soubesse quais caminhos seguir. Por meio de Assembleias locais, ocorridas na fase preparatória, o processo sinodal trabalhou para ouvir os clamores, as lutas e resistências dos Povos da Amazônia, que foram refletidas de 06 a 25 de outubro em Roma, a realidade amazônica resultando na Exortação Apostólica Pós-Sinodal, acima referida.

E quais foram os temas propostos, discutidos durante a realização do Sínodo Panamazônico? A Amazônia, com o Sínodo, deve indicar caminhos para pensar transições que permitam à humanidade repensar sua relação com a Mãe-Terra, entre si e com o futuro. “A Amazônia, uma região com rica biodiversidade, é multiétnica, pluricultural e plurirreligiosa, um espelho de toda a humanidade que, em defesa da vida, exige mudanças estruturais e pessoais de todos os seres humanos, dos Estados e da Igreja” (IL Preâmbulo).

Através do processo de consultas aos povos e comunidades realizadas em 2018 e 2019, elencou-se luzes e sombras presentes na Região Amazônica. Os temas foram sintetizados e refletidos no Instrumentum Laboris (IL) do Sínodo e estiveram em pauta no evento, que reuniu bispos, indígenas e especialistas nas temáticas. Fruto de uma larga consulta, o “instrumento de trabalho” teve como função mostrar os diversos aspectos do problema de que se  tratou, suas nuances, o modo como isso afeta a vida da Igreja e da sociedade envolvida.

O documento preparatório do Sínodo antecipou o debate sobre os interesses econômicos que exploram a Amazônia sob um paradigma desenvolvimentista “asfixiante, sem mãe, com sua obsessão pelo consumo e seus ídolos de dinheiro e poder” (IL 5). O IL cita, no texto, a exploração de petróleo, de gás, de madeira, de ouro, e a construção de obras de infraestrutura, como megaprojetos hidrelétricos, rodoviárias interoceânicas e monoculturas agroindustriais.

O Instrumentum Laboris do Sínodo chamou a atenção para a necessidade de respeitar a diversidade existente na Pan-Amazônia.  “Os povos tradicionais, ‘têm muito para nos ensinar’ (EG 198)”, lembra o texto divulgado em preparação à reunião em Roma. “Alguns “não indígenas” têm dificuldade de compreender a alteridade indígena e, muitas vezes, não respeitam a diferença do outro” (IL 3).

No referido Instrumentum Laboris (IL) do Sínodo foi sublinhada a  falta de demarcação dos territórios indígenas e de reconhecimento de seu direito à terra como  elementos centrais para o debate da vida na Pan-Amazônia:

Proteger os povos indígenas e seus territórios é uma exigência ética fundamental e um compromisso básico dos direitos humanos. Para a Igreja, esse compromisso é um imperativo moral coerente com o enfoque da ‘ecologia integral’ de Laudato si’ (cf. LS, cap. IV). (IL 5).

Hoje, numa “Igreja em saída”, como nos lembra Francisco na sua Encíclica Evangelii Gaudium (cf. EG 46), a presença missionária na Amazônia arma sua tenda com um “conteúdo inevitavelmente social” (EG 177), reconhecendo a íntima relação  entre evangelização e promoção humana (cf. EG 178). “Em sua história missionária, a Amazônia tem sido lugar de testemunho concreto de estar na cruz, inclusive, muitas vezes, lugar de martírio” (LP 4).

(Foto nº 02)

(Fonte: www.cartacapital.com.br)

Finalmente, pensando novos caminhos para os ministérios eclesiais, o documento de trabalho deixa clara a plena consciência da Igreja sobre a urgência de buscar novos caminhos para os ministérios na Amazônia. No ponto 14 do texto, reflete-se sobre “Ministérios com rostos amazônicos”. “Novos caminhos para a pastoral da Amazônia exigem relançar com fidelidade e audácia sua missão” (DAp 11) no território e “aprofundar o processo de inculturação” (EG 126)” (cf. IL 14).

Ainda, o instrumento de trabalho do Sínodo aponta para uma mudança diante da urgência de “avaliar e repensar os ministérios que hoje são necessários para responder aos objetivos de ‘uma Igreja com rosto Amazônico e uma Igreja com rosto indígena’ (Fr.PM)” (IL14). Nesse processo se considera debater a ordenação de homens casados e a consagração de mulheres. O Sínodo abre portas para que a atividade pastoral na Região Amazônica deixe de ser uma pastoral de visita, transformando-se em uma pastoral de presença.

“A consulta aos povos da Amazônia é clara: eles pedem a ordenação daquelas pessoas que a comunidade julga adequadas para o ministério, sejam celibatários ou casados, não apenas anciãos, os chamados “viri probati[1]. São as comunidades que devem escolher e propor os seus ministros”, escreveu o teólogo jesuíta boliviano Víctor Codina. Padre Codina participou ativamente da caminhada de preparação do Sínodo da Amazônia.

Referências:

  1. Ap.: Documento de Aparecida (Conferência Episcopal do Celam).

E.G.: Exortação Apostólica Evangelii Gaudium, do Papa Francisco.

G.S.: Gaudium et  Spes – Sobre a Igreja no mundo atual – Concílio Vaticano II.

I.L.: Instrumento de trabalho.

[1] Os viri probati eram homens casados de fé comprovada, que podiam se ordenar padres – muito comum no primeiro milênio da Igreja.

 

Todas as postagens são de inteira responsabilidade do blogueiro.

Mais lidas

CPI da Braskem tem 35 dias para concluir investigação, que inclui visita aos bairros destruídos

10 de julho de 2020 8:46 por Redação Com o objetivo de investigar a

Sem declarar IR cidadão não pode sequer receber prêmio de loteria que, acumulada, hoje sorteia

10 de julho de 2020 8:46 por Redação O prazo para entrega da Declaração

Risco de morte após a febre chikungunya continua por até 84 dias, diz Fiocruz

10 de julho de 2020 8:46 por Redação Em meio à epidemia de dengue e

Saúde volta a alertar alagoanos sobre medidas de prevenção contra a dengue

10 de julho de 2020 8:46 por Redação A Secretaria de Estado de Alagoas

PF indicia filho de Bolsonaro por falsidade ideológica e lavagem de dinheiro

10 de julho de 2020 8:46 por Redação A Polícia Federal em Brasília indiciou

FAEC anuncia calendário anual de eventos esportivos para o público escolar

10 de julho de 2020 8:46 por Redação A Federação Alagoana de Esportes Colegiais

Bar do Doquinha: o lar enluarado da boemia

10 de julho de 2020 8:46 por Redação Por Stanley de Carvalho* Há 60

Seduc anuncia processo seletivo para a Educação Especial

10 de julho de 2020 8:46 por Redação A Secretaria de Estado da Educação

1 Comentário

  • Estou agradecida por ver explicado passo-a-passo este documento. Vou acompanhando cada publicação com bastante atenção. Grata??

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *