terça-feira 28 de maio de 2024

A derrota da intentona fascista!

Por quanto tempo nós e o mundo ainda vamos precisar “remar” contra esse mar de lama?
Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Segunda-feira (8), foi dia de lembrar o primeiro ano do Dia da Infâmia.

Tenho achado que o mundo virou de cabeça pra baixo, apesar de não ser plano.

Um ano depois daquele domingo infame ainda há quem tente justificar a barbárie dizendo serem aqueles criminosos “esquerdistas infiltrados”.

Como se essa narrativa não fosse suficientemente bizarra, tem também quem pergunte “e tentativa é crime? ”

Pois bem, eu acho isso tudo uma distopia, primeiro, se é a “esquerda” a responsável pela bagunça, por que a direita pede anistia? Que sejam presos todos os envolvidos.

Segundo, se não há crime porque não houve a concretização de golpe, e eu pergunto, uma tentativa de assalto a banco que não resulta em sucesso, pode ser perdoada?

Coerência não parece ser o forte do debate…

Ainda que tenha havido um arrefecimento do espírito golpista dada a rapidez da resposta institucional, não percebo que tenha havido um “mea culpa” daqueles que embarcaram na trensloucada viagem da extrema direita e isso por si só já nos mantém em risco.

Por quanto tempo nós e o mundo ainda vamos precisar “remar” contra esse mar de lama?

Parece ser da natureza humana a atração pelas “sensacionalidades”, quais sejam, aquelas mentiras, criadas cuidadosamente para dar voz ao lado mais obscuro dos medos imaginários, colocando-os sob holofote para atrair atenção.

Por mais que o governo se empenhe em divulgar os fatos, informando com base na verdade, não parece ser suficiente para reduzir os impactos das mentiras selecionadas e compartilhadas para manter vivo o clima de “terror” necessário para germinar ideias extremistas.

O que chama mais a atenção numa postagem que só lemos a primeira frase? Vacina mata, ou vacinação em massa possibilitou o retorno a vida normal?

Explicações para fatos complexos não podem ser resumidas em duas palavras e na falta de vontade e disposição de ler um pouco mais, passou a ser prática corriqueira a “informação”, ou melhor, a desinformação da rede social.

Passado um ano daquela fatídica data temos o seguinte saldo: a preservação da democracia, “meia dúzia” de baderneiros indiciados, militares e patrocinadores sem punição e a possibilidade de ter descoberto quem é quem “na fila do pão”.

Para que não haja dúvidas, tentativa de golpe é crime e como tal deve ser tratado.

De resto temos o seguinte: o comunismo não foi instalado, as igrejas não foram fechadas, não há ideologia de gêneros na escola, o mundo segue girando e a surpresa fica por conta de ainda haver quem defenda a mentira como liberdade de expressão, acredite ser um marginal o mito e o “salve-se quem puder” como modelo ideal de sociedade.

Haja luz para tanta escuridão, afinal a democracia é forte, mas precisa se alicerçar na justiça na bondade e não no ódio.

Mais lidas

Marielle: a quem se destina a terra?

Por Eliane Brum, do portal Sumauma “Quem possui a terra possui o homem.” Essa

CPI da Braskem tem 35 dias para concluir investigação, que inclui visita aos bairros destruídos

Com o objetivo de investigar a responsabilidade jurídica e socioambiental da mineradora Braskem no

Sem declarar IR cidadão não pode sequer receber prêmio de loteria que, acumulada, hoje sorteia

O prazo para entrega da Declaração do Imposto de Renda Pessoa Física (DIRPF) em

Risco de morte após a febre chikungunya continua por até 84 dias, diz Fiocruz

Em meio à epidemia de dengue e ao aumento de casos por febre chikungunya, um

Saúde volta a alertar alagoanos sobre medidas de prevenção contra a dengue

A Secretaria de Estado de Alagoas (Sesau) volta a alertar a população alagoana sobre

PF indicia filho de Bolsonaro por falsidade ideológica e lavagem de dinheiro

A Polícia Federal em Brasília indiciou Jair Renan Bolsonaro, filho do ex-presidente Bolsonaro, pelos

FAEC anuncia calendário anual de eventos esportivos para o público escolar

A Federação Alagoana de Esportes Colegiais (FAEC) anunciou o calendário anual de eventos para

Bar do Doquinha: o lar enluarado da boemia

Por Stanley de Carvalho* Há 60 anos, quando os portões de Brasília começaram a

1 Comentário

  • Kátia,bela análise, momento muito ruim,precisamos continuarmos atentos, “a cadela do fascismo continua no cio” (Brecht).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *